Bento XVI pede orações para cumprir sua missão

Na festa da Cátedra de São Pedro

| 1326 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 22 de fevereiro de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI pediu neste domingo, no qual a Igreja celebra a festa da Cátedra de São Pedro, orações para poder cumprir sua missão.

Ao rezar ao meio-dia a oração mariana do Ângelus, junto a milhares de peregrinos congregados na praça de São Pedro no Vaticano, o Santo Padre comentou o significado desta Cátedra, que simboliza a autoridade do bispo de Roma, «chamado a desempenhar um peculiar serviço em relação a todo o Povo de Deus».

«Imediatamente depois do martírio dos Santos Pedro e Paulo, foi reconhecido à Igreja de Roma o papel de primazia em toda a comunidade católica, papel testificado já no século II por Santo Inácio de Antioquia e por Santo Irineu de Leão», recordou falando da janela de seu apartamento. 

Desta forma explicou como este singular e específico ministério do bispo de Roma foi confirmado pelo Concílio Vaticano II no número 13 da constituição dogmática sobre a Igreja,Lumen gentium. 

«Na comunhão eclesiástica – disse o Papa citando o Concílio –, existem Igrejas particulares, que gozam de tradições próprias, permanecendo íntegro o primado da Cátedra de Pedro, que preside todo o conjunto da caridade, defende as legítimas variedades e ao mesmo tempo procura que estas particularidades não só não prejudiquem à unidade, mas inclusive cooperem nela».

A celebração da festa ofereceu ao Papa a oportunidade para pedir aos fiéis que lhe acompanhem com a oração para poder «cumprir fielmente com a elevada tarefa que a Providência divina me encomendou como sucessor do apóstolo Pedro».

O pontífice se despediu alentando aos fiéis a «entrar com as devidas disposições de espírito na Quaresma, que começará na quarta-feira próxima com o sugestivo rito de cinzas».

«Que Maria nos abra o coração à conversão e à escuta dócil da Palavra de Deus», concluiu. 
Na realidade, a história fala de duas cátedras do apóstolo Pedro, pois antes de ser bispo de Roma havia sido pastor da primeira comunidade dos cristãos em Antioquia. 

Até antes do Concílio Vaticano II a liturgia celebrava a duas cátedras em duas datas diferentes: 18 de janeiro, a de Roma, e 22 de fevereiro a de Antioquia. Com a reforma do calendário, se unificaram nesta última data.

Segundo explica o Missal Romano, esta celebração, «com o símbolo da cátedra, sublinha a missão de mestre e de pastor que entregou Cristo a Pedro, constituído por ele, em sua pessoa e na de seus sucessores, como princípio e fundamento visível da unidade da Igreja».