Bento XVI se faz presente no funeral pelas vítimas do terremoto

Envia seus colaboradores mais próximos com ajuda e presentes para as vítimas

| 847 visitas

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 10 de abril de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI se fez presente nesta Sexta-Feira Santa no funeral por 205 das 290 vítimas mortais do trágico terremoto de Abruzzo, através de seu secretário de Estado, seu secretário pessoal, uma mensagem escrita a coração aberto e um donativo e presentes de Páscoa para os afetados. 

«Nestas horas dramáticas, em que uma imensa tragédia assolou esta terra, eu me sinto espiritualmente presente no meio de vós para compartilhar vossa angústia e implorar de Deus o repouso eterno para os falecidos, o rápido restabelecimento para os feridos e, para todos, o ânimo de prosseguir na esperança, sem desfalecer diante do desânimo», diz a carta do Papa, lida por seu secretário, Dom George Gaswein. 

A multitudinária missa de exéquias foi presidida pelo cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, com a participação do presidente da República, Giorgio Napolitano, e do primeiro-ministro italiano, Sivil Berlusconi, na praça de armas da academia militar de Copito, o único edifício deste diminuto povoado no oeste de Abruzzo que não foi desalojado. 

Os caixões das vítimas, dispostos em quatro filas, entre os quais destacavam os féretros brancos das crianças, presidiam a cerimônia na qual o colorido das oferendas de flores contrastava com a tristeza dos rostos, deformados pela dor. 

«Em momentos como este, como fonte de luz e de esperança está a fé, que precisamente nestes dias nos fala do sofrimento do Filho de Deus, que se fez homem por nós», reconhece o Papa em sua carta. 

«Que sua paixão, sua morte e sua ressurreição sejam para todos manancial de consolo e que abram o coração de cada um à contemplação daquela vida na qual ‘já não haverá morte nem haverá pranto, nem gritos, nem fadigas, porque o mundo velho passou’», escreve o pontífice, citando o Apocalipse. Segundo explica o bispo de Roma, diante da emergência que este terremoto propõe, «a Santa Sé tem a intenção de fazer o que lhe corresponde, em união com as paróquias, os institutos religiosos e as associações leigas. Este é o momento do compromisso, em sintonia com os organismos do Estado, que já estão trabalhando admiravelmente. Só a solidariedade pode ajudar a superar provas tão dolorosas».

Após ler a mensagem papal, seu secretário pessoal revelou que, além dos óleos abençoados, nesta Quinta-Feira Santa, na Missa Crismal, o Santo Padre enviou o cálice para a celebração eucarística de exéquias, como homenagem e participação espiritual deste momento de dor. 

Dessa forma, Bento XVI enviou um donativo especial para as necessidades mais urgentes. Como um gesto particular para as crianças em barracas de acampamento, o Papa lhes fará chegar numerosos ovos de chocolate para o próximo Domingo de Páscoa. 

Em sua homilia, o cardeal Bertone reiterou que Bento XVI esteve, desde o primeiro momento – e continua estando – ao lado destes irmãos e irmãs de Abruzzo. 

«O que nos mantém unidos nesta hora de dor – como povo em caminho rumo à eternidade – é o consolo que nos vem da fé, esse doce alívio que emana do encontrar o rosto do Homem da Cruz, esta proximidade amorosa com todos os crucificados da história que estão esperando a inauguração da Jerusalém Celeste, onde todas as coisas encontram sua beleza originária e onde todas as lágrimas serão enxugadas», afirmou o cardeal Bertone.