Bento XVI: secularismo ocidental, talvez mais insidioso que o marxista

Advertência aos bispos eslovenos

| 1305 visitas

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 24 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- Segundo Bento XVI, o secularismo ocidental é mais insidioso que o marxista.

Foi o que o pontífice explicou hoje ao reunir-se com os bispos da Eslovênia que concluíam sua visita «ad limina apostolorum» ao Papa e a seus colaboradores da Cúria romana.

Segundo o Papa, o secularismo é «o principal desafio que a Igreja tem de enfrentar» nesse país, que após a II Guerra Mundial viveu sob o regime comunista, independente da Iugoslávia desde 1991.

«O secularismo de caráter ocidental, diferente e talvez mais insidioso que o marxista, apresenta sinais que não podem deixar de preocupar-nos», explicou aos prelados eslovenos.

Entre as manifestações do secularismo, o Papa se referiu «por exemplo, à busca desenfreada de bens materiais, à redução da natalidade e à queda da prática religiosa, que leva consigo a diminuição das vocações ao sacerdócio e à vida consagrada».

Neste contexto, lançou à Eslovênia o chamado que Moisés havia dirigido ao povo de Israel quando se dispunha a entrar na Terra Prometida: «Escolhe a vida».

«Cada geração está chamada a renovar a escolha entre a vida e o bem, a morte e o mal. E nós, como pastores, temos o dever de indicar aos cristãos o caminho da vida, para que eles sejam, por sua vez, o sal e a luz da sociedade.»

Por este motivo, convidou a Igreja da Eslovênia «a responder à cultura materialista e egoísta com uma ação evangelizadora coerente que parta das paróquias».

«De fato, mais que de outras estruturas, das comunidades paroquiais podem e devem vir iniciativas e atos concretos de testemunho cristão», disse.