Bíblia, presente das sociedades bíblicas dos Estados Unidos ao Papa e ao Sínodo

Bento XVI receberá a «Bíblia Poliglota»

| 1151 visitas

Por Miriam Díez i Bosch

ROMA, segunda-feira, 29 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- Por ocasião do Sínodo da Palavra, a maior entidade bíblica dos Estados Unidos oferecerá em Roma uma Bíblia multilíngüe ao Papa, assim como a todos os membros do Sínodo dos Bispos dedicado à Palavra de Deus, que acontecerá em outubro na Cidade Eterna.

Este volume, a «Bíblia Poliglota», foi ilustrada por Cláudio Pastro, artista brasileiro de arte sacra, e será entregue ao Papa em 7 de outubro, em uma edição pessoal de luxo de capa branca, enquanto os membros do Sínodo receberão um exemplar de capa vermelha.

O Antigo Testamento vem apresentado em 5 idiomas: hebraico-aramaico, grego, latim, inglês e espanhol; e o Novo Testamento, por sua vez, em quatro 4: grego, latim, inglês e espanhol.

Esta edição da Bíblia foi elaborada na gráfica bíblica da Sociedade Bíblica Brasileira, considerada como a segunda mais importante por sua elaboração e impressão de Bíblias (6 milhões de unidades por ano).

Segundo revela Mario Paredes, membro do comitê presidencial de relação das Sociedades Bíblicas dos Estados Unidos com a Igreja Católica romana, «a primeira e maior gráfica bíblica está na China, a qual elaborou e imprimiu cerca de 50 milhões de unidades nos últimos 25 anos. Localizada na Cidade de Nanquim e propriedade da Sociedade Bíblica Chinesa, esta gráfica funciona com uma importante participação e investimento do governo chinês e da American Bible Society».

A Bíblia em questão tem 3.220 páginas e pesa 3,440 quilos.

Esta luxuosa bíblia foi pensada como uma edição com textos que possam ser utilizados nas assembléias litúrgicas e com valor acadêmico, exegético.

A apresentação final desta edição especial da Bíblia Poliglota foi aprovada pela American Bible Society e pela Livraria Editorial Vaticana.

A edição é de caráter ecumênico, já que seus textos, todos com o imprimatur e o nihil obstat da Igreja Católica, procedem – como o texto em inglês – do Conselho de Igrejas Protestantes e das Sociedades Bíblicas Unidas. «É enorme, pois, o valor simbólico e a contribuição que esta iniciativa representa na tarefa ecumênica, a tarefa de todos os crentes em Cristo: levar ao mundo os valores do Evangelho», explica à Zenit Mario Paredes.

Paredes, que também supervisiona projetos em espanhol desta entidade bíblica, reconhece: «Nós, cristãos, nos alegramos por esta iniciativa bíblica que contribui de maneira muito significativa para o desejo de nosso Senhor: ‘Que todos sejam um’».

«Acima de nossas histórias fundacionais, muito além de nossas tradições e de nossas diferenças no campo doutrinal, litúrgico e nas diversas expressões religiosas, a Bíblia Poliglota confirma, possibilita, engrandece e enriquece um acordo comum entre todos os cristãos e uma intenção relevante no interesse ecumênico do pontificado de Bento XVI: a centralidade que deve ter a Palavra de Deus em nossas histórias pessoais, eclesiais e sociais», conclui.

Em Washington se apresentará esta Bíblia quando o Sínodo acabar. Será no dia 28 de outubro, na Nunciatura Apostólica, em uma recepção oferecida pelo núncio apostólico, Dom Pietro Sambi.

American Bible Society, fundada há 192 anos, é a organização interconfessional mais antiga e prestigiosa dos Estados Unidos.