Biotecnologia não pode violar dignidade humana, adverte Papa

Ao receber o novo embaixador da Coréia do Sul no Vaticano

| 920 visitas

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 11 de outubro de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI alertou sobre a tentação de que a pesquisa científica viole a dignidade fundamental do ser humano, como acontece com os experimentos com embriões humanos que depois são destruídos, ou com a clonagem.



Por outro lado, ao receber nesta quinta-feira o novo embaixador da Coréia do Sul, Ji-Young Francesco Kim, o pontífice apoiou a pesquisa e o uso de células-tronco adultas, pois neste caso a vida humana não fica em perigo.

Ao reconhecer os enormes passos tecnológicos dados pelo país asiático, o pontífice destacou em particular «os avanços em biotecnologia, que tem a possibilidade de tratar e curar doenças de forma que se melhore a qualidade da vida».

«As descobertas neste campo convidam o homem a ter uma consciência cada vez mais profunda das sérias responsabilidades envolvidas em sua aplicação», explicou em seu discurso pronunciado em inglês.

«Antes de tudo está a dignidade do ser humano, que não pode ser manipulada em nenhuma circunstância ou tratada como mero instrumento de experimentação.»

«A destruição de embriões humanos para obter células estaminais ou com qualquer outro propósito contradiz o pretendido intento de pesquisadores, legisladores e funcionários da saúde pública de promover o bem-estar humano», denunciou.

«A Igreja não vacila em aprovar e estimular a pesquisa com as células-tronco adultas, não só pelos resultados favoráveis obtidos com estes métodos alternativos, mas porque – e é o mais importante – esta pesquisa se harmoniza com a tentativa já mencionada, respeitando a vida humana em cada etapa de sua existência», declarou.

O bispo de Roma assegurou suas orações «para que a sensibilidade moral que é inerente ao povo coreano, como evidenciou em sua firme rejeição à clonagem humana e aos procedimentos relacionados, ajude a comunidade internacional a aderir às profundas implicações éticas e sociais da pesquisa científica e de sua utilização».