Bispos do Chile pedem leis a serviço da linda aventura de ser família

Uma declaração do Comitê Permanente da Conferência Episcopal do Chile reflete sobre a vida e a família

Roma, (Zenit.org) Redacao | 343 visitas

"A humanidade passa por uma época de mudanças que traz consigo muitas esperanças e temores e que nos leva a perguntar quais são os fundamentos da nossa vida e das nossas opções. Se este discernimento é necessário para realidades como as novas formas de comunicação e os modelos sociais e econômicos, é ainda mais verdade quando nos referimos a realidades essenciais como a vida humana e a família, bem como o desenvolvimento do Chile". Assim começa a declaração publicada pelos bispos chilenos em uma mensagem que recorda que a vida e a família "são o nosso tesouro e comprometem a nossa maneira de existir, de amar, de servir".

A Conferência Episcopal do Chile se manifesta sobre diversos assuntos, como o assim chamado “aborto terapêutico”, o “acordo de vida em casal” e as “uniões homossexuais”, denominadas por alguns setores da sociedade como “casamento igualitário”. Os bispos, diz o texto, se manifestam com "clareza e firmeza e com profundo respeito", motivados pelo "bem da família e do Chile". Eles compartilham também o seu temor de que "a discussão destas realidades – que não são apenas ‘temas’– seja feita a partir de perspectivas ideológicas ou populistas, sem contato com as realidades existenciais que estão em jogo".

Desta forma, os prelados reafirmam a convicção absoluta "de que o direito à vida humana é o primeiro dos direitos humanos, que deve ser respeitado e defendido sempre, desde a concepção até a morte natural".

Num primeiro ponto da declaração, os bispos abordam o "evangelho da vida", destacando que a criança gerada no ventre da mãe é uma vida humana e, portanto, "credora do primeiro dos direitos humanos: ser respeitada e bem cuidada".

"A mãe que, lamentavelmente, aborta, pressionada muitas vezes por terceiros, costuma carregar um peso atroz pelo resto vida depois de ter dado fim à gestação do fruto do próprio ventre", dizem os bispos, complementando que, "longe de condená-la, queremos ajudá-la, apoiá-la".

"Em vez de discutir uma lei para dar fim ao ser humano concebido, poderíamos discutir como o Estado pode acompanhar, aconselhar, abrir espaços na sociedade e até financiar tantas iniciativas em favor da vida que hoje são mantidas graças à generosidade de muitas pessoas", afirma o texto.

O segundo ponto abordado pela declaração é "o evangelho do matrimônio e da família". "O trabalho educativo, mais o trabalho de pais e mães, e essa tripla função da mulher que é mãe, esposa e trabalhadora, é uma realidade que não escapa à bênção de Deus, desde o primeiro dia da criação", observam os bispos.  "A família é o verdadeiro valor constituinte da comunidade humana". Os bispos também reconhecem que, por diversas razões, há famílias monoparentais, o que é "mais uma razão para acompanhá-las". 

E explicam: "Não condenamos, mas promovemos a estabilidade matrimonial e pedimos leis que facilitem e apoiem a vida de família". Ao mesmo tempo, os bispos chilenos afirmam que são necessárias "leis laborais e educacionais a serviço desta linda aventura de ser família". O episcopado observa, por outro lado, que "as uniões informais não podem ser equiparadas juridicamente à união estável e indissolúvel de um homem e de uma mulher para formar uma família e enfrentar juntos a vida, numa instituição que merece o apoio e a proteção do Estado porque dá origem à célula básica da sociedade".

Os bispos também fazem referência aos que defendem a união entre pessoas do mesmo sexo. A este respeito, eles consideram "superficial falar de 'casamento igualitário', pelo simples fato de que não é o caso. Não é uma união entre homem e mulher e não tem a estabilidade própria do matrimônio, que, no ensinamento bíblico, possui dois traços característicos e inseparáveis: o aspecto da unidade (entre homem e mulher) e a vocação à procriação".

"Ser uma pessoa com tendência homossexual não é um castigo de Deus, como muitos equivocadamente ainda pensam. E muitos perdões ainda temos que pedir como sociedade por tê-los discriminado injustamente", afirmam os bispos chilenos.

Em um terceiro ponto da declaração, eles mostram "apoio às famílias e aos seus direitos". Refletindo sobre as famílias “perfeitas” da propaganda falaz e consumista, os prelados sugerem como modelo a Sagrada Família, "a família solidária, com todos os dramas que a vocação familiar tem que enfrentar". Desta perspectiva de fé, "expressamos que a família, fundamentada no matrimônio, é a célula básica da sociedade, como o nosso ordenamento constitucional e legal também reconhece".

A Conferência Episcopal do Chile encerra a declaração convidando a orar pelo sínodo dos bispos que o papa Francisco convocou, levando em conta que é neste “patrimônio vivo da humanidade” que se baseia o futuro da nossa espécie.