Bispos dos Estados Unidos contra tortura

Reafirmam que esta prática é inadmissível moralmente

| 231 visitas

WASHINGTON, quarta-feira, 2 de julho de 2008 (ZENIT.org).- A tortura é contrária ao respeito da pessoa e da dignidade humana.

Esta é a idéia de fundo de um estudo-guia publicado pela Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB) que convida a refletir sobre as graves implicações morais do recurso a esta prática. O guia foi preparado para poder ser usado em grupos de discussão e centros católicos.

O guia, que pode ser baixado no site da Conferência Episcopal (http://www.usccb.org/sdwp/stoptorture/stoptorture_intro.shtml), foi apresentado em dias passados no contexto do Mês de Sensibilização contra a Tortura, uma iniciativa promovida por 190 organizações confessionais norte-americanas signatárias da «Campanha Religiosa Nacional Contra a Tortura».

O guia é fruto da colaboração desta campanha com o Departamento de Justiça Internacional e Paz da Conferência Episcopal dos Estados Unidos.

«O objetivo – explicou Virginia Farris, consultora da Comissão para a Justiça Internacional e a Paz da USCCB – é estimular uma reflexão mais profunda sobre esta delicada questão, que se tornou de dramática atualidade também nos países democráticos».

O documento não realiza um exame só sobre as atuais políticas do Governo americano em matéria de tratamento dos prisioneiros acusados de terrorismo, mas denuncia também todas as formas de tortura e os interrogatórios denominados «forçados» praticados em mais de 150 estados do mundo.