Bispos dos Estados Unidos pedem lei marco sobre imigração

Os prelados do Arizona se unem em oposição à lei anti-imigração

| 1027 visitas

Por Nieves San Martín

WASHINGTON, quinta-feira, 6 de maio de 2010 (ZENIT.org).- Os bispos dos Estados Unidos consideraram a introdução de um marco sobre a reforma migratória pela liderança do Senado, em 29 de abril, um "primeiro passo importante" no processo de alcançar a promulgação de uma legislação de reforma integral. Também expressaram seu apoio aos bispos do Arizona em sua oposição a lei que considera delinquentes os imigrantes sem documento.

O marco sobre reforma migratória, elaborado pelo senador Charles Schumer e respaldado pelo líder do Senado, pretende estabelecer um roteiro para o lançamento das negociações para um projeto de lei de reforma migratória bipartidária.

A posição dos bispos foi exposta em 29 de abril, pelo bispo John C. Wester de Salt Lake City, presidente da Comissão Episcopal de Migração.

"Instamos os membros de ambas partes para indicar um processo para a introdução e promulgação de uma legislação bipartidária que afirme o Estado de Direito e os direitos humanos básicos", disse o bispo Wester.

Dom Wester afirmou deficiências no marco do trabalho que requerem uma revisão, incluindo uma controvérsia disposição que permitiria casais do mesmo sexo receber benefícios de imigração igual aos casais casados. Também afirmou que as medidas de execução no marco não devem violar os direitos fundamentais, e devem abordar políticas que enfrentam as causas profundas da migração.

O prelado instou ao congresso para iniciar os debates sobre a questão, com o objetivo de aprovar uma legislação em 2010.

"Pedimos um debate forte, mas civil. Este problema já não pode esperar e não deve ser politizado nem ser refém da ideologia. Nosso sistema de imigração é ineficaz e necessita reparo imediato", disse o bispo Wester.

Por outro lado, em solidariedade com os bispos do Arizona, o bispo Wester, em nome da Conferência Episcopal, publicou um comunicado dia 27 de abril se opondo a promulgação e implementação da lei SB 1070 do Arizona, que criminaliza os imigrantes não documentados.

No comunicado afirma se unir "aos bispos católicos do Arizona em sua firme oposição a recente promulgação e implementação da lei SB 1070 no Arizona".

"Esta lei - acrescenta -, ainda que seja limitada ao estado do Arizona, poderia ter impacto por todo o país de forma que se percebe e se trata os membros de nossas comunidades de imigrantes".

Segundo o prelado, "a SB 1070 mantém uma norma legal muito baixa que permite a polícia deter e apreender pessoas se baseando somente em sua aparência, sua forma de falar ou sua procedência étnica. Poderia conduzir ao questionamento e prisão errada de cidadãos americanos e residentes legais, assim como a separação de famílias, pais de seus filhos e esposos de suas mulheres. Certamente aumentaria o temor e a desconfiança entre as comunidades imigrantes, buscando a confiança entre seus membros e a polícia".

"A SB 1070 é sintomática da ausência de liderança do Governo federal no tema de imigração. Durante anos, os bispos católicos dos Estados Unidos fizeram um convite ao Congresso e as duas últimas administrações a fim de aprovar uma reforma de imigração inteligente, integral e justa."

O bispo reconhece que "enquanto muitos membros do Congresso juntam esforços de boa fé para aprovar uma reforma migratória integral, muitos veem este tema por meio de olhar político, usando-o para obter vantagens políticas ou partidárias. Esse jogo deve terminar".

"Nossos líderes nacionais - afirma - devem educar ao povo americano sobre a necessidade de uma reforma e ter coragem de fazê-la realidade. Enquanto a reforma migratória não é aprovada, outros Estados tentam criar e aplicar leis migratórias inadequadas, com resultados catastróficos".

E conclui afirmando que "os bispos católicos dos Estados Unidos se fazem solidários com os bispos do Arizona em sua oposição a esta lei draconiana", fazem um chamado a "Administração para examinar seu impacto sobre os direitos e liberdades civis" e renovam seu chamamento á "Administração e ao Congresso para trabalhar de maneira bipartidária para alcançar uma reforma migratória integral o mais breve possível".