Bispos mexicanos: “os pobres não podem esperar”

Publicado importante informe sobre a pobreza no México

| 1589 visitas

CIDADE DO MÉXICO, quarta-feira, 11 de novembro de 2009 (ZENIT.org - El Observador).- A Comissão Episcopal para a Pastoral Social (CEPS) e a Cáritas Mexicana consideram que é urgente o estudo, a reflexão e a análise da pobreza no México, “para assumi-la com uma nova imaginação a partir da missão da Igreja, junto a todos os homens e mulheres de boa vontade”.

Diante disso, os organismos acabam de publicar um importante livro-pesquisa, intitulado “Os pobres não podem esperar”.

De acordo com a análise, a “situação dos pobres no México agrava-se a cada dia; as conquistas que se alcançaram neste terreno perdem-se no oceano de uma crise financeira global que, como todas as crises e emergências, está afetando principalmente os mais pobres e coloca em evidência a dura realidade da desumanizadora pobreza”.

Nesta situação –escreve na apresentação do livro Dom Gustavo Rodríguez Vega, bispo de Nuevo Laredo e presidente da Cáritas Mexicana– “não podemos menos que nos apropriar do dramático chamado que João Paulo II fez em Santiago do Chile, em 1987: os pobres não podem esperar”.

Para a elaboração desta investigação, os bispos convidaram a colaborar o Centro Lindavista da Cidade de México.

“Se a pobreza e a desigualdade ameaçam a vida digna de milhões de homens e mulheres no México, não podemos prescindir na missão continental de uma aproximação propositiva, dialogante e comprometida, para contribuir para a superação deste flagelo que fere dolorosamente milhões de pessoas em nossa pátria”, escreveu Dom Rodríguez Vega.

“Com sua publicação –sublinhou o prelado mexicano– queremos oferecer um instrumento de trabalho para todas as instâncias eclesiais comprometidas com a causa dos pobres, convidando-as a levar ao coração as palavras do Senhor, que nos disse para lhes dar de comer.”

Segundo bispo de Nuevo Laredo, "a superação da pobreza é um objetivo que convoca todos os setores da sociedade civil e as instâncias de serviço público que se sentem interpeladas ante este drama”.

“Temos de unir esforços para alcançar este objetivo; não podemos fazê-lo sozinhos, e o melhor caminho é o diálogo respeitoso, sincero e comprometido.”

O propósito do livro é oferecer à sociedade mexicana, aos agentes de pastoral, atores eclesiais e às autoridades e líderes políticos um documento sério sobre a pobreza e a desigualdade, baseado no enfoque ético, integral e humanista próprio da Doutrina Social da Igreja, que promova o diálogo crítico e propositivo, de todas as pessoas, especialmente dos líderes, para impulsar uma renovada ação contra a desigualdade e a pobreza em todos os ambientes.

O documento contém três seções, que levam como fio condutor o diálogo entre as orientações do ensinamento social da Igreja e a escuta das necessidades reais dos irmão pobres: “Os pobres não podem esperar: o imperativo a partir do ensinamento social”, “Um olhar e uma escuta encarnados e fraternos” e “Empreender juntos um caminhar de esperança e compromisso”.

O livro contém ainda um CD interativo com mapas das províncias e documentos anexos do estudo.

Informes recentes apontam que no México, com população de 105 milhões de habitantes –segundo o último censo– 60 milhões de pessoas estão próximas da linha da pobreza; delas, 19 milhões vivem em pobreza extrema.

(Jaime Septién)