Bispos norte-americanos preocupados com o debate sobre imigração

Ante a paralisia da reforma legal

| 816 visitas

WASHINGTON, segunda-feira, 1o outubro de 2007 (ZENIT.org).- Os bispos católicos americanos estão preocupados pelo tom que o debate nacional sobre a imigração está assumindo.



Assim confessa em um comunicado o bispo Gerald R. Barnes, de São Bernardino (California), presidente da Comissão para as Migrações da Conferência de Bispos Católicos do país.

A proposta de lei a favor de uma reforma do sistema de imigração americana fracassou no Senado em 28 de junho.

«O debate sobre a reforma da imigração provocou análises informadas e discussões ponderadas, assim como uma rígida retórica contra os imigrantes neste país, sobretudo contra aqueles que não têm um status legal», denunciou Dom Barnes.

«Fomentada pelas discussões radiofônicas e pelas organizações contra os imigrantes, esta retórica provocou medos e incompreensões entre alguns segmentos da população americana, provocando uma atmosfera polarizada e virulenta.»

O bispo Barnes considera que o aumento das iniciativas no âmbito federal e local não resolverá a questão da imigração ilegal, mas fará que os imigrantes fiquem ainda mais na sombra, provocando medo em suas comunidades.

«Voltemos a afirmar nosso ponto de vista, segundo o qual a aplicação de medidas repressivas a qualquer nível jurisdicional provocará que os trabalhadores imigrantes irregulares se convertam ainda mais em uma subclasse escondida», observou o prelado.

Os bispos americanos reconhecem o direito do país a defender as fronteiras e a fazer que se respeitem as leis sobre a imigração. No entanto, declaram, a aplicação da lei «deve respeitar os direitos humanos e a dignidade e reduzir ao mínimo a separação das famílias».

O bispo Barnes exortou o Congresso a voltar a levar em consideração uma reforma da imigração o antes possível.

«Pedimos aos católicos e a todos os americanos que trabalhem juntos de maneira construtiva para assegurar um resultado positivo neste debate nacional fundamental», conclui o comunicado episcopal.