“Boom” dos Franciscanos do Emmanuel em Camarões

80% dos membros da ordem estão neste país

| 1133 visitas

NKONGSAMBA, domingo, 24 de outubro de 2010 (ZENIT.org) - Os Franciscanos do Emannuel estão vivendo um verdadeiro "boom" em Camarões. Dos 75 membros que a ordem possui, 60 estão neste país africano.     

O irmão Denis-Antoine explicou à associação caritativa Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) que a ordem, criada em Montreal (Canadá), em 1985, chegou a Camarões em 1999.

Isso ocorreu depois de um sacerdote diocesano da cidade de Nkongsamba, oeste do país, conhecer os Franciscanos do Emmanuel por meio de um jornal. Ele pediu que o ajudassem com um grupo de fiéis paroquianos que queriam viver a espiritualidade de São Francisco.

"Por pedido do bispo, chegamos e começamos a formar uma fraternidade de membros leigos", explicou o religioso.

Com o tempo, os grupos foram se estendendo, estabilizando e se multiplicando. Muitos dos jovens membros leigos pediram para se converter em frades.

"Em 2005, cheguei com um jovem irmão leigo do Canadá a Camarões para fundar a primeira casa de formação", continuou o irmão Denis-Antoine.

Com ajuda de benfeitores, os frades constituíram um convento com 18 casas e estrutura para a comunidade e sua missão. Desde então, a comunidade de Nkongsamba foi crescendo. Agora há 17 frades em formação e 8 professos. Os irmãos formam-se para se ocupar da atenção para saúde, catequese e agricultura.

Por pedido do bispo, os Franciscanos do Emmanuel também instituíram um centro espiritual que acolhe retiros e sessões de formação para grupos procedentes de todo o país.

A comunidade também tem apostolado junto aos mais pobres e está envolvida no trabalho da paróquia, na assistência aos jovens e na capelania das prisões.

"A mensagem principal que queremos deixar é que estamos aqui, presentes junto das pessoas, esperando dar-lhes este testemunho de vida do Evangelho nos passos de nosso pai, São Francisco", destacou o frade.

"Nossas fraternidades de membros leigos estão envolvidas na solidariedade com os pobres e os necessitados para melhorar suas condições", afirmou.