Brasil: “deve ser votado quem defendeu e defende o valor da vida”

Bispos do Estado do Rio de Janeiro divulgam nota sobre as eleições

| 1822 visitas

RIO DE JANEIRO, segunda-feira, 18 de junho de 2010 (ZENIT.org) – Os bispos do Estado do Rio de Janeiro (Regional Leste 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB) reafirmaram hoje a importância de se votar em candidatos que defendem a vida. 

Em nota divulgada no contexto do 2º turno das eleições para a Presidência da República, os prelados recordam que, “por sua universalidade, a Igreja Católica não tem partido ou candidato próprios, mas incentiva, agora mais do que nunca, a dar o voto a quem respeita os princípios éticos e os critérios da Moral Católica, indicados na Doutrina Social da Igreja”.

“Em particular – afirmam os bispos –, deve ser votado quem defendeu e defende o valor da vida desde a sua concepção até o seu término natural com a morte e, ao mesmo tempo, a família com a sua própria constituição natural.”

No texto – assinado pela presidência do Regional, Dom Rafael Llano Cifuentes,

Dom José Ubiratan Lopes, OFMCap e Dom Filippo Santoro –, os bispos também renovam sua crítica ao Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) do atual governo.

Os prelado reafirmam sua crítica “mesmo depois de ter sido retirada a proposta da legalização do aborto, porque foi falaciosamente indicada como ‘questão de saúde pública’”.

“Não é aceitável a visão da pessoa fechada ao transcendente, sem referência a critérios objetivos e determinada substancialmente pelo poder dominante e pelo Estado.”

“No PNDH-3, a maneira como são tratados vida, família, educação, liberdade de consciência, de religião e de culto, de propriedade em sua função social e de imprensa, revela uma antropologia reduzida”, afirma a nota do Regional da CNBB.

Os bispos do Rio de Janeiro dizem “compartilhar plenamente” a orientação da CNBB manifestada na nota do dia 8 de outubro, em que se afirma o “direito – e mesmo, dever – de cada Bispo, em sua Diocese, orientar seus próprios diocesanos, sobretudo em assuntos que dizem respeito à fé e à moral cristã”.

Os bispos fazem “votos que esta última fase do processo eleitoral se desenvolva em paz, no respeito da democracia e do soberano direito da consciência moral do nosso povo”.