Cada momento da nossa vida é definitivo

As palavras do Papa Francisco pronunciadas no último dia de 2013

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 641 visitas

No dia 31 de Dezembro de 2013, o Papa Francisco presidiu na Basílica de São Pedro, à celebração das primeiras Vésperas da celebração litúrgica do dia 1 de Janeiro concluindo com o cântico de Te Deum em ação de graças pelo ano de 2013. Apresentamos, a seguir, a homilia pronunciada pelo Papa, publicada na íntegra pela Rádio Vaticano.

O apóstolo João define o tempo presente de modo preciso: "Esta é a última hora" (1 Jo 2,18). Isso significa que, com a vinda de Deus na história, já nos encontramos nos "últimos" tempos, depois do qual o passo final será a segunda e última vinda de Cristo. É claro, aqui se trata da qualidade do tempo e não da sua quantidade. Com, Jesus chegou a "plenitude" dos tempos, plenitude de sentido e plenitude da salvação. E não haverá mais uma nova revelação, mas a plena manifestação do que Jesus já revelou. Neste sentido, estamos na "última hora"; cada momento da nossa vida é definitivo e cada uma das nossas ações é repleta de eternidade; de fato, a resposta que damos, hoje, a Deus, que nos ama em Jesus Cristo, incide sobre o nosso futuro.

A visão bíblica e cristã do tempo e da história não é cíclica, mas linear: é um caminho que leva a um cumprimento. Um ano que passa, portanto, não nos leva a uma realidade que acaba, mas a uma realidade que se realiza, é um passo a mais em direção à meta que está diante de nós: uma meta de esperança e de felicidade, porque nos encontraremos com Deus, razão da nossa esperança e fonte da nossa alegria.

Enquanto o ano 2013 chega ao fim, colhemos, como em uma cesta, os dias, as semanas, os meses que vivemos para oferecer tudo ao Senhor. E nos perguntamos: como vivemos o tempo que Ele nos deu? Nós o utilizamos, sobretudo, para nós mesmos, para os nossos interesses ou soubemos empregá-lo para os outros? E Deus? Quanto tempo empregamos para "estar com ele", na oração, no silêncio? ...

Pensemos também nesta cidade de Roma. O que aconteceu este ano? O que está acontecendo e o que vai acontecer? Como está a qualidade de vida nesta cidade? Tudo depende de nós! Como está a qualidade da nossa "cidadania"? Este ano, contribuímos, com o nosso "pouco", para torná-la vivível, organizada, acolhedora? Na verdade, o rosto de uma cidade é como um mosaico, cujas peças são todas as pessoas que aqui vivem. Claro, quem tem autoridade, tem maior responsabilidade, mas cada um é co-responsável, no bem e no mal.

Roma é uma cidade de beleza única! Seu patrimônio espiritual e cultural é extraordinário. No entanto, também em Roma há tantas pessoas assinaladas pela miséria, material e moral, pessoas pobres, infelizes, que interpelam a consciência, não apenas dos responsáveis públicos, mas também de cada cidadão. Em Roma, talvez, sentimos de modo mais forte este contraste entre o ambiente majestoso e repleto de beleza artística, e as dificuldades sociais de quem tem mais problemas.

Roma é uma cidade sempre cheia de turistas, mas também cheia de refugiados. Roma está cheia de pessoas que trabalham, mas também de pessoas que não encontram trabalho ou fazem trabalhos mal pagos e, por vezes, indignos; mas todos têm o direito de ser tratados com a mesma atitude de acolhida e de equidade, porque cada um é portador de dignidade humana.

Chegou o último dia do ano. O que faremos? Como agiremos no próximo ano, para tornar a nossa Cidade um pouco melhor? A Roma do ano novo terá um rosto bem mais bonito se for mais rica de humanidade, hospitaleira, acolhedora; se todos nós formos atenciosos e generosos com os mais necessitados; se soubermos colaborar, com espírito construtivo e solidário, pelo bem de todos. A Roma do ano novo será melhor se não houver pessoas que a olham "de longe", que olham a sua vida só "da varanda", sem se deixar envolver pelos tantos problemas humanos, problemas de homens e mulheres que, no final... e desde o início, quer queiramos ou não, são nossos irmãos. Nesta perspectiva, a Igreja de Roma se sente comprometida em dar a sua contribuição própria para a vida e o futuro da Cidade: para animá-la com o fermento do Evangelho, para ser sinal e instrumento da misericórdia de Deus.

Nesta noite, encerremos o Ano do Senhor 2013, agradecendo e pedindo perdão. Agradeçamos por todos os benefícios que Deus nos concedeu, especialmente, pela sua paciência e fidelidade, que se manifestam no decorrer dos tempos, mas de forma única, na plenitude dos tempos, quando "Deus enviou seu Filho, nascido de mulher" (Gl 4,4).

Que a Mãe de Deus, em nome da qual iniciaremos, amanhã, um novo trajeto da nossa peregrinação terrena, nos ensine a acolher o Deus feito homem, a fim de que cada ano, cada mês, cada dia seja repleto do seu amor eterno.