Caminho de fé e meditação ligará padroeiras

Projeto interliga Santuário de Nossa Senhora da Piedade ao de Aparecida

| 784 visitas

BELO HORIZONTE, domingo, 17 de julho de 2011 (ZENIT.org) – A assinatura de um protocolo de intenções nessa terça-feira (12) marcou o início de um projeto que ligará os Santuários Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora da Piedade - Caminho Religioso da Estrada Real: de Padroeira a Padroeira. O documento foi assinado na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG).

Segundo informa o departamento de imprensa da arquidiocese de Belo Horizonte, o documento, assinado por representantes do poder público e das (arqui)dioceses que fazem parte da rota entre os dois Santuários, prevê a instituição de um roteiro integrado de turismo religioso, destinado à peregrinação e meditação, com conceito e sinalização turística indicativa baseados no Caminho de Santiago de Compostela, na Europa. Ao todo, serão 600 km de percurso, passando por 86 municípios de Minas e São Paulo.

O arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, destacou a força da religiosidade mineira, lembrando que, dos dez milhões de romeiros que vão anualmente ao Santuário Nossa Senhora Aparecida, quase a metade parte de Minas Gerais.

Além de terem em comum a devoção mariana, o arcebispo lembrou que os santuários da Padroeira de Minas e da Padroeira do Brasil partilham vínculos históricos.

Conforme explica Dom Walmor, o primeiro arcebispo de Aparecida (SP) e responsável por iniciar a construção do Santuário da Padroeira do Brasil, o cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota (1890-1982), era mineiro e antes de ir para São Paulo foi capelão do Santuário Nossa Senhora da Piedade.

Segundo o arcebispo, o cardeal Mota sempre visitava Minas e o Santuário da Padroeira do Estado, no alto da Serra da Piedade. O Caminho Religioso “será uma força religiosa, cultural e educativa”. “Tenho certeza que colocará Minas em um lugar ainda mais marcante no cenário nacional”, disse.

O secretario de Estado de Turismo de Minas, Agostinho Patrus Filho, lembrou que o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking de países que mais enviam turistas à Santiago de Compostela. Ele considera que o Caminho Religioso será reflexo da riqueza de Minas Gerais.

Representando a direção da FIEMG, o empresário Sérgio Cavalieri, que é presidente da Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa (ADCE), lembrou que a iniciativa contribuirá para o desenvolvimento econômico de todas as cidades que formarão o circuito.

A expectativa é que o Caminho Religioso comece a ser implantado em 2012, num prazo de seis meses.