Caminho Neocatecumenal não será suspenso no Japão

Papa se reuniu com bispos japoneses no dia 13 de dezembro

| 1632 visitas

MADRI, sexta-feira, 7 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) - O Caminho Neocatecumenal não será suspenso no Japão dentro de cinco anos, como havia anunciado a Conferência Episcopal do país, mas buscará uma solução negociada para possíveis mal-entendidos.

Esta é a principal conclusão da reunião realizada em 13 de dezembro passado, entre o Papa Bento XVI, uma representação de vários bispos japoneses, incluindo o presidente da Conferência Episcopal, Dom Leo Ikenaga, e alguns líderes de dicastérios da Cúria Romana, como o secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone.

Esta decisão foi recentemente enviada por escrito, pela Secretaria de Estado, aos iniciadores do Caminho Neocatecumenal, Kiko Argüello, Carmen Hernández e Mario Pezzi, segundo informou hoje a ZENIT Álvaro de Juana, delegado de comunicação desta realidade eclesial na Espanha.

O encontro entre o Papa e os representantes do episcopado japonês foi realizado para discutir alguns aspectos sobre o Caminho Neocatecumenal no país.

A causa disso foi a decisão, declarada publicamente no início do Advento por bispos japoneses, de que esta realidade eclesial suspenderia suas atividades no país no prazo de cinco anos.

Conforme explicou a De Juana, "a Santa Sé tomou uma série de decisões. A primeira delas indica que a suspensão do Caminho Neocatecumenal no Japão em cinco anos, como alegado pela Conferência Episcopal do país, não é admissível".

Por outro lado, disse, "o diálogo entre os bispos do Japão e o Caminho Neocatecumenal deverá ser retomado logo que possível, com a ajuda de um delegado competente, que tenha amor pelo Caminho e respeito pelos problemas dos bispos".

"Por fim, devem dar, se for necessário, instruções específicas para o Caminho, para cada uma das suas próprias dioceses, evitando pronunciamentos da Conferência Episcopal", explicou De Juana.

"A Santa Sé lembra ainda que a Secretaria de Estado será a responsável pelas instruções necessárias e abordará, em contato Congregação para a Evangelização dos Povos, as questões relativas à presença do Caminho nesse país", disse o porta-voz do movimento.

Esta decisão marca um importante ponto de referência para a questão suscitada pela recusa dos bispos japoneses ao Caminho Neocatecumenal, uma realidade eclesial pós-conciliar surgida na Espanha por meio do pintor Kiko Argüello, e que hoje está presente em mais de 5 mil paróquias dos cinco continentes.