Caminho rumo à santidade fundamenta-se em esperança que não decepciona

Arcebispo de Brasília comenta episódio da Transfiguração do Senhor

| 850 visitas

BRASÍLIA, segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008 (ZENIT.org).- No contexto do Evangelho desse domingo, Transfiguração do Senhor, o arcebispo de Brasília explica que o caminho dos fiéis rumo à santidade está pavimentado por quem destruiu a morte, portanto, trata-se de uma esperança que não decepciona.

Em mensagem aos fiéis remetida a Zenit esta segunda-feira, Dom João Braz de Aviz destaca que, no episódio da Transfiguração, Jesus aparece «refulgente, poderoso, invencível. Este acontecimento mostra-nos que o Messias-Jesus é divino, é o Filho de Deus».

Mas, de acordo com o arcebispo, «o Mestre fez questão de mostrar o seu lado glorioso associado à figura do servo sofredor que caminhava com seus discípulos rumo a Jerusalém, palco do seu julgamento, condenação, morte e ressurreição».

Por isso, Ele proíbe os apóstolos de contar o que viram e ouviram sobre o monte Tabor --destaca.

Assim, prossegue Dom João Braz, Jesus «parece mostrar que a cruz é o único caminho para se chegar à luz. Sem esse caminho completo fica difícil compreender as exigências para segui-lo».

«A resposta ao apelo e a crença na promessa tornam-se para nós, discípulas e discípulos, uma opção de vida, de uma vida humana cheia de percalços, é verdade, mas que, enfim, será transformada, transfigurada», enfatiza.

De acordo com o arcebispo, o “Escutai-o” (Mt 17, 5), pronunciado pelo Pai no alto do monte «dá sentido definitivo a tudo o que buscamos realizar e conquistar».

Dom João Braz explica que em Jesus repousa o olhar de eternidade sob todas as ações humanas. 

«Somos chamados a viver sob este olhar. Assim, a vida humana adquire um sentido definitivo, aberto e acolhedor de tudo que acontece conosco, ao redor de nós, com nosso meio ambiente.»

Segundo o arcebispo de Brasília, a dor e o sofrimento das mulheres e homens estão no contexto do poder de Deus manifestado em Jesus transfigurado.

«Já não corremos o risco de sermos enganados», enfatiza. 

«Nosso caminho rumo à santidade está pavimentado por quem destruiu a morte e plantou, definitivamente, a árvore da vida no coração da aventura humana», afirma Dom João. 

De acordo com o arcebispo, «Jesus anuncia a nossa própria transfiguração e nos convida a voltar à realidade de cada dia, com suas alegrias e tristezas, e a organizar nosso empenho pela vida com os critérios de vida eterna».

«Nossas escolhas e opções devem trazer o fermento novo da vida em plenitude e sem fim, mesmo que isto custe lágrimas a enxugar, rostos desfigurados a acolher, resistências dolorosas e persistentes a superar», afirma Dom João Braz.