Campanha da Fraternidade é uma das prioridades deste início de ano, diz bispo

Dom Dimas Lara cita ainda ação evangelizadora, luta pela ética na política e missão

| 976 visitas

Por Alexandre Ribeiro

 

BRASÍLIA, segunda-feira, 7 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- A Campanha da Fraternidade da Igreja no Brasil, que se realiza especialmente no período da Quaresma e este ano discute o tema da defesa da vida, é uma das prioridades da ação da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) neste início de ano.

Foi o que afirmou o secretário-geral do organismo, Dom Dimas Lara Barbosa, em artigo veiculado no jornal Folha de S. Paulo com ocasião do início de 2008.

A nova presidência da CNBB teve um ano de 2007 intenso. Assumiu o organismo episcopal já com a tarefa de receber o Papa Bento XVI no Brasil, em maio passado, e acolher no país a realização da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe.

Segundo Dom Dimas, em 2008, o programa de ação da CNBB e sua presidência e demais comissões prosseguirá, «articulando sujeitos, instâncias e parcerias da CNBB à luz das novas diretrizes da ação evangelizadora».

Já neste início de ano, segundo o bispo, «merece destaque» a Campanha da Fraternidade, «em defesa da vida humana desde a concepção até seu declínio natural».

O bispo recordou também que 2008 é ano eleitoral no Brasil, quando serão escolhidos os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores de todos os municípios brasileiros.

«Quanto às próximas eleições, a CNBB cumprirá seu papel cidadão de subsidiar a reflexão dos eleitores católicos e incrementar a campanha pela ética na política – em consonância com a Lei 9.840, de combate à corrupção eleitoral», disse.

De acordo com o secretário-geral da CNBB, o organismo episcopal se propõe ainda a organizar, juntamente com as demais Conferências da América Latina, a grande missão continental lançada pela Conferência de Aparecida.

«Uma "missão continental" que envolva comunidades e organizações católicas, como sugeriu a Conferência de Aparecida, promovendo um despertar que coloque clero e leigos em "estado de missão".»

«O propósito é que a evangelização incida mais eficazmente na consciência e na vida das pessoas e sua atuação na sociedade», comentou o bispo.