«Câncer é meu ‘anjo’», confessa cardeal chinês Paul Shan Kuo-hsi

O purpurado difunde uma mensagem de valentia

| 651 visitas

HONG KONG, segunda-feira, 10 de dezembro de 2007 (ZENIT.org).- Após ser diagnosticado de câncer de pulmão no ano passado, o cardeal Paul Shan Kuo-hsi, ao invés de esperar a morte, dedicou-se a inspirar outros para enfrentar a vida com coragem.

O cardeal jesuíta, bispo emérito de Kaohsiung e antigo presidente da Conferência Episcopal Regional Chinesa de Taiwan, iniciou sua viagem de «Adeus à minha vida» em outubro.

Sua primeira visita foi a Hsinchu, na costa noroeste de Taiwan, e desde então visitou as outras seis dioceses da ilha.

«Trato o câncer como meu ‘pequeno anjo’ – explica o cardeal à agência Zenit em uma entrevista telefônica. Ele me leva a dizer às pessoas que deveríamos ter o valor de enfrentar os desafios de nossa vida.»

A viagem completou em 5 de dezembro passado, com a visita do purpurado à Universidade Católica Fu Jen, em Taipei. O centro acadêmico lhe ofereceu um reconhecimento por seu amor à vida.

O cardeal Shan Kuo-hsi, que completou 84 anos em 3 de dezembro, comentou que se sentia «muito feliz de ser testemunha do Evangelho» nesta última etapa de sua vida.

Contou que havia visitado um centro contra o abuso do consumo de drogas em Taitung, no qual se encontrou com trezentos internos em 22 de novembro.

Ele lhes disse: «O câncer me permitiu saber que estou na última etapa de minha vida e deveria tentar dar o melhor de mim mesmo à sociedade».

O purpurado rezou pelos internos e disse que as pessoas deveriam usar o «amor» para solucionar os problemas de sua vida diária.

Foi-lhe diagnosticado o câncer de pulmão em julho de 2006. Compartilhou com quem encontrou em sua viagem como lhe impressionou o diagnóstico, com a perspectiva de ter só quatro ou cinco meses de vida.

«No começo, perguntei ao Senhor: ‘Por que eu?’. Quando me acalmei, reconheci que é a vontade do Senhor – disse o cardeal. Ele quis que eu ajudasse outros compartilhando com eles minha experiência pessoal. E agora, confirmo que ‘Por que não eu?’. Um cardeal não tem o privilégio de estar sempre saudável!»

O purpurado chinês disse que, depois de sua morte, seu corpo se converterá em fertilizante da terra de Taiwan, mas sua alma retornará ao Senhor.

Desta forma, elogiou o exemplo heróico do papa anterior, João Paulo II, que fez tudo o que pôde para viver os últimos minutos de sua vida com dignidade.

O cardeal Shan Kuo-hsi é originário da província de Hebei, norte da China. Deixou o continente após ingressar na Companhia de Jesus em 1946. Foi ordenado sacerdote nas Filipinas, em 1955.

Foi nomeado bispo de Hualien, Taiwan, em 1979, e bispo de Kohsiung, em 1991. Foi criado cardeal em 1998, e passou a ser bispo emérito em janeiro de 2006.