Cardeal Bertone: Igreja em Cuba quer ampliar seu campo de ação

Ao celebrar a eucaristia na catedral de Havana

| 738 visitas

HAVANA, sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 (ZENIT.org).- Ao celebrar a eucaristia na tarde de ontem em uma catedral de Havana lotada, transmitida ao vivo pela televisão nacional, o cardeal Tarcísio Bertone assegurou que a Igreja em Cuba deseja ampliar seu campo de ação ao serviço do bem comum.

O secretário de Estado afirmou textualmente na homilia: «A Igreja deseja poder ampliar seus limites no raio de sua ação a outros âmbitos, para contribuir com mais força ao bem comum do povo cubano».

A crônica do acontecimento foi recolhida pelo jornal oficial, «Granma». Assistiram à celebração o presidente do Parlamento, Ricardo Alarcón; o chanceler Felipe Pérez Roque; o primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba na capital, Pedro Sáez; Juan Contino, presidente da Assembléia Provincial do Poder Popular, e o Historiador da Cidade de Havana, Eusébio Leal, assim como integrantes do corpo diplomático, entre outras personalidades.

No início do ato litúrgico, realizado na Praça da Catedral, o arcebispo de Havana, cardeal Jaime Ortega, pediu que a presença de Bertone aqui «seja augúrio» de uma próxima visita de Bento XVI a Cuba, como destaca o próprio «Granma».

O cardeal Bertone está recordando em Cuba os dez anos da histórica visita de João Paulo II à ilha caribenha.

«Colocada como chama no coração da humanidade, como fermento e sal entre os homens de qualquer raça e cultura, a Igreja pede ser reconhecida e respeitada em sua missão, sem fins de impor, mas de propor o Evangelho a todos que se encontram em seu caminho», afirmou o purpurado.

Segundo declarou, «com a proclamação do Evangelho de Cristo, a Igreja deu uma grande contribuição a este continente, e em particular a Cuba, alentando o respeito da vida humana desde sua concepção até seu término natural, tutelando o valor da família fundada no matrimônio de um homem e uma mulher, defendendo a liberdade de consciência e a liberdade religiosa e promovendo a inviolável dignidade da pessoa humana».

«Ao longo dos séculos, esta verdade do Evangelho guiou os passos de muitos cristãos em sua tarefa de ser semeadores de justiça e de paz.»

«Mais ainda, os princípios de liberdade, igualdade e fraternidade, que nos últimos séculos se afiançaram fortemente na consciência dos povos, têm uma base sólida no Evangelho e um desenvolvimento crescente no pensamento e na conduta dos crentes em Cristo.»

Em particular, o cardeal Bertone destacou a obra de caridade que a Igreja realizou em Cuba, tanto no passado como no presente.

«Ela, fiel aos ensinamentos de Cristo, aspira a estar cada vez mais presente e ativa no meio da sociedade com as modalidades próprias do mundo atual, levando a cabo ao mesmo tempo sua importante missão de ensinar, sanar, assistir o pobre e promover a dignidade de todos os seres humanos em sua dignidade, sejam marginalizados, desabrigados ou presidiários.»

Em particular, o purpurado italiano reconheceu o trabalho que a Cáritas cubana realiza «em favor dos idosos, e seus esforços por chegar até seus lares e atendê-los, assim como seu afã por ajudar as pessoas doentes, sozinhas ou necessitadas».