Cardeal Bertone: respeito aos direitos, base da convivência

Conclui com uma missa a visita à comunidade católica do Cazaquistão

| 832 visitas

KARAGANDA, segunda-feira, 6 de dezembro de 2010 (ZENIT.org) – A convivência humana baseia-se no respeito aos direitos de cada um, afirmou nesse sábado o secretário de Estado vaticano.

O cardeal Tarcisio Bertone presidiu em Karaganda (Cazaquistão), a missa na catedral de São José, edificada pelos fiéis em 1978, durante o período soviético.

Com esta celebração, o purpurado concluiu sua visita à comunidade católica de mais de 200 mil fiéis desta república situada no coração da Ásia central, com mais de 15 milhões de habitantes, em sua grande maioria muçulmanos.

Para os cristãos – recordou o cardeal Bertone na homilia –, o Advento é um tempo de espera e de esperança, de escuta e de reflexão, mas também é uma oportunidade para dar testemunho da caridade “no amor fraterno e no serviço aos pobres, aos enfermos, aos excluídos” e para ser “artífices de reconciliação e de paz”.

A festa do Natal desperta nos homens “uma maravilhosa esperança no projeto de Deus” que se realiza em Jesus.

No entanto, “quem quiser encontrar Deus deve continuamente caminhar interiormente, ir em uma direção diferente da que nos indica uma mentalidade materialista, individualista, hedonista”.

Segundo o cardeal, os cristãos devem refletir durante o Advento sobre a necessidade de mudar de mentalidade.

E isso porque “quem quiser ser digno do nome de cristão deve continuamente ‘mudar de mentalidade’ e transformar sua maneira de pensar para superar a ilusão de que o homem tem só uma dimensão horizontal, visível, e fazer-se sensível e atento a sua dimensão vertical, do invisível”.

Por isso, a missão de todo sacerdote é anunciar o Evangelho, preparar o caminho para o Senhor e não para si mesmo, para que “cada fiel possa viver o encontro pessoal com Cristo ressuscitado”.

A respeito dos direitos humanos de cada um, também das pessoas de diferentes convicções pessoais, é “o requisito de toda convivência autenticamente humana”.