Cardeal convida a gesto concreto na Campanha da Fraternidade

Neste domingo, acontece a coleta da solidariedade no Brasil

| 1240 visitas

SÃO PAULO, sexta-feira, 3 de abril de 2009 (ZENIT.org).- O arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Scherer, convida os católicos no Brasil a participarem de um gesto concreto da Campanha da Fraternidade que acontece neste Domingo de Ramos: a coleta da solidariedade.

«Que seja um gesto generoso e represente, de fato, um sinal de nossa penitência quaresmal e de nossa sensibilidade fraterna em relação às vítimas da violência», afirma o arcebispo, em artigo da edição desta semana do jornal arquidiocesano O São Paulo. A CF deste ano discute «Fraternidade e Segurança Pública».

Dom Odilo considera que essas vítimas serão beneficiadas de muitas formas com o fruto dessa coleta, feita em todas as igrejas católicas do Brasil.

«O montante recolhido é administrado e destinado para iniciativas concretas e acompanhadas pelas dioceses e pala Conferência dos Bispos.»

Com esse mesmo fruto –explica o cardeal–, «também poderão ser apoiadas muitas iniciativas de prevenção da violência e de educação para uma autêntica cultura da justiça e da paz».

O arcebispo convida ainda à participação em um outro gesto de solidariedade, «pedido pela Igreja, e que deve ser realizado na Sexta-Feira Santa em todas as nossas igrejas: trata-se da Coleta para os Lugares Santos».

«Seu fruto destina-se a apoiar a presença cristã na Terra Santa, onde as comunidades cristãs, na sua maioria, são de árabes palestinos e sofrem enormes dificuldades para manterem sua presença na terra onde Jesus nasceu, viveu, morreu e ressuscitou, e onde, historicamente, o Evangelho foi pregado e acolhido por primeiro.»

Dom Odilo explica que os cristãos e as organizações da Igreja «só conseguem manter-se vivas mediante a solidariedade internacional da Igreja».

«Por isso, é significativo que esta Coleta “para os Lugares Santos” seja feita justamente na Sexta-Feira Santa», uma iniciativa que é prescrita para toda a Igreja, no mundo inteiro, afirma o cardeal.