Cardeal de Camarões pede libertação de sacerdotes e freiras sequestrados

Exortação do cardeal Christian Wiyghan Tumi é dirigida à seita islamista Boko Haram

Roma, (Zenit.org) Redacao | 430 visitas

O cardeal Christian Wiyghan Tumi, arcebispo emérito de Douala, fez um apelo através dos meios de comunicação pedindo que a seita islamista nigeriana Boko Haram liberte os dois sacerdotes missionários italianos do Fidei Donum e a religiosa canadense que foram sequestrados em 5 de abril no norte do país, na fronteira com a Nigéria.

“A mensagem que dirigimos aos sequestradores que mantêm reféns os nossos irmãos é que os libertem e se abram ao dialogo”.

Segundo a informação recebida pela Agência Fides, o Cardeal Tumi, ao condenar “a violência que não resolve nada”, instou tanto as autoridades quanto o grupo extremista Boko Haram a seguirem “o caminho do diálogo e do amor” e a “evitarem o ódio”.

Os dois sacerdotes italianos da diocese de Vicenza, pe. Gianantonio Achegri e pe. Giampaolo Marta, e a religiosa canadense de 80 anos, da ordem das Irmãs da Divina Vontade de Bassano di Grappa, foram sequestrados na noite de 4 para 5 de abril na diocese de Maroua-Mokolo, norte de Camarões.

Na mesma região, durante a noite entre 16 e 17 de maio, dez cidadãos chineses funcionários de uma empresa multinacional também foram sequestrados. O governo de Camarões reforçou os controles na fronteira com a Nigéria para evitar novas incursões do Boko Haram.

O Boko Haram é um grupo terrorista nigeriano de ideologia fundamentalista islâmica, que pretende instaurar a sharia nos Estados do norte e nordeste da Nigéria. O grupo atua há vários anos, perseguindo em particular os cristãos, mas conseguiu o auge da notoriedade na mídia mundial recentemente, ao sequestrar quase 300 meninas nigerianas por serem estudantes.