Cardeal Dias: «sinais de esperança» para Igreja na China

Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos

| 1202 visitas

ROMA, quarta-feira, 28 de maio de 2008 (ZENIT.org).- A situação da Igreja na China está repleta de «sinais de esperança», sustenta o cardeal Ivan Dias, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos.

O purpurado o afirmou no sábado, na homilia da concelebração eucarística que presidiu na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, por ocasião da I Jornada Mundial de Oração pela Igreja na China, convocada por Bento XVI em sua Carta aos Católicos Chineses.

«No passado houve sofrimentos para nossos irmãos e nossas irmãs na China», sublinhou o cardeal – segundo cita o jornal da Santa Sé «L’Osservatore Romano» –, mas agora chegou o momento de «perdoar, olhar para a frente e orar por uma Igreja de novo em fraternidade e em paz. Hoje há sinais de esperança para o futuro da Igreja na China».

A Missa na Basílica, durante a qual se rezou em italiano e em chinês, «pode ser considerada a primeira reunião nacional da comunidade chinesa na Itália», afirma o jornal, recordando que a comunidade, segundo as estimativas do informe Cáritas-Migrantes, está composta por 3 mil fiéis (sobre um total de 180.000 imigrantes).

Na celebração, da qual participaram cerca de 500 pessoas, o cardeal Dias esteve acompanhado por 12 sacerdotes chineses.

Segundo o purpurado indiano, sinais de esperança para que se «reconstitua uma Igreja na China» foram «o belo gesto do concerto da Orquestra Filarmônica Chinesa oferecido ao Papa há algumas semanas» e o «pensamento afetuoso de Bento XVI pelo povo chinês», assim como o augúrio feito para as próximas Olimpíadas.

Frente à catástrofe do terremoto que devastou a região de Sichuan, provocando ao menos 60.000 mortos, o cardeal observou que no Paraíso «não haverá católicos oficiais e clandestinos, porque seremos todos filhos de Deus. O Papa quer que esta unidade seja vista nesta terra».

«Há duas dimensões em nossa vida de cristãos – acrescentou: não devemos só viver nossa fé, mas fazer também que os outros possam ver nossa fé.»

Após a Missa, os fiéis rezaram a Oração que Bento XVI escreveu para 24 de maio, dia no qual os chineses festejam Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos, venerada no Santuário de Sheshan, perto de Xangai.