Cardeal Grocholewski: o papa Francisco é um presente do Espírito Santo para hoje

João Paulo II uniu e entusiasmou; Bento XVI convenceu com a razão; Francisco fala aos corações

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 1434 visitas

O cardeal Zenon Grocholewski, prefeito da Congregação para a Educação Católica, polonês, 72 anos, começou a trabalhar na cúria romana antes de João Paulo II. Ontem, depois da missa de início de pontificado de Francisco, em encontro casual, ZENIT conversou com o purpurado, que afirmou: “O de Francisco será um grande pontificado”. Ligamos então o gravador:

Por que o senhor acha que será um grande pontificado?

Cardeal Grocholewski: Pela simplicidade e pelo modo de falar dele, profundo e claro. Eu acho que, hoje, a Igreja precisa ter esta simplicidade, não falar “acima das cabeças”, mas direto para os corações, e este papa sabe falar para os corações dos homens.

O senhor teve que suspender uma viagem à América do Sul por causa do conclave, não foi?

Cardeal Grocholewski: Eu tinha que ir para a Argentina e acabei renunciando à minha viagem para estar presente no conclave, mas espero poder ir logo para lá.

Não se considerava um “papável”?

Cardeal Grocholewski: Sou polonês, faz relativamente pouco tempo que João Paulo II foi eleito, não devia ser outro do meu país. Estou muito contente por ter sido um papa de outro continente. Isto é muito importante para mostrar que a Igreja é universal, não é italiana e europeia. Eu me alegro muito porque elegemos este magnífico papa. Desejo também que seja motivo de alegria na fé para os argentinos.

Se Karol Wojtyla tivesse participado deste conclave, ele teria sido eleito? Ou cada papa é para uma determinada circunstância histórica?

Cardeal Grocholewski: É o Espírito Santo quem elege o papa. Primeiro, precisávamos de um papa como João Paulo II, que deu coragem, ânimo, entusiasmo para a Igreja. Depois foi necessário um papa intelectual, para convencer o mundo sobre a racionalidade da fé, sobre a cultura, a razão, a ciência, etc. Agora precisamos de um papa que fale para os corações dos homens, que demonstre que a força da Igreja não se volta só para os nossos cérebros e para a nossa inteligência.

O que o papa Francisco destaca mais?

Cardeal Grocholewski: A força da Igreja é Cristo. O papa Francisco já destacou isto muitas vezes. E eu gosto muito de ver que ele acredita na força da oração e pede para todos rezarem. Acredito que vai ser um grande pontificado.