Cardeal Nicora: «O ‘mistério’ de Francisco de Assis só se compreende em Jesus»

Foram publicados os discursos de Bento XVI em Assis

| 826 visitas

ROMA, quinta-feira, 19 de julho de 2007 (ZENIT.org).- «O ‘mistério’ de Francisco só se compreende em Jesus», explica o cardeal Attilio Nicora, legado pontifício para as duas Basílicas papais de Assis, no prólogo de um livro que acaba de ser publicado com os discursos pronunciados por Bento XVI ao visitar essa cidade da Itália, em 17 de junho passado.



Segundo o purpurado, «justamente o encontro com Jesus e seu seguimento fizeram de Francisco um homem singularmente novo: se esquecêssemos que vivia totalmente em Jesus e para Jesus e que queria viver como Ele, da forma pura do Evangelho, simplesmente não compreenderíamos quem é Francisco».

«Partindo desta identidade cristocêntrica -- explica o cardeal Nicora --, a figura do grande santo de Assis não é ‘canonizada’ de forma indevida nem se elimina nada de sua variada originalidade.»

«Além disso -- acrescenta o Legado Pontifício --, reencontra-se nela, em todo seu frescor, os grandes traços que a história, a piedade e a arte celebraram: o amor à Igreja, ao ‘senhor Papa’, ao bispo, aos sacerdotes ministros da Eucaristia; a abertura confiada a cada homem; o compartilhar a ‘minoridade’ dos marginalizados; o anúncio do perdão dirigido a todos; o diálogo com os não-cristãos, vivido em admirável conjunção de paixão pela verdade de Jesus e respeito discreto e paciente pelo outro; a transparência de um coração que reconhece o selo de Deus em todas as criaturas e as associa ao canto da ação de graças e louvor.»

O cardeal Nicora sublinha que «a intensa jornada vivida pelo Papa Bento XVI em Assis, em 17 de junho passado, «representou uma forma singular de expressar o carisma próprio dos sucessores do apóstolo Pedro, o de confirmar os irmãos na fé».

«Trata-se não somente de voltar a propor com clareza e plenitude as verdades da fé cristã de sempre, mas de ajudar a compreender, em coerência com uma visão de fé, eventos e figuras da existência contemporânea e da história da Igreja, que de outro modo perderiam seu genuíno significado», acrescentou o purpurado.

Segundo o cardeal, «o Papa nos devolveu São Francisco em sua verdade originária e em sua atraente mensagem, sempre atual. E o fez deixando transparecer de maneira comovedora sua pessoal familiaridade com o grande santo de Assis, convertendo assim seu ensinamento em um testemunho e convidando-nos a uma redescoberta apaixonada».