Cardeal Raymundo Damasceno: "Papa Francisco pede que haja mais empenho na formação dos leigos no Brasil"

Última reunião do Conselho Episcopal Permanente da CNBB de 2013

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 391 visitas

Esse ano de 2013 esteve repleto de atividades para a Conferência Nacional de Bispos do Brasil e para toda a Igreja Católica no país. Hoje, em coletiva de imprensa, na sua sede em Brasília, a presidência da Conferência Episcopal fez memória de alguns dos compromissos presentes na Agenda da última reunião do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP) de 2013. 

Os temas tratados - de acordo com o Presidente da CNBB, Dom Raymundo Damasceno - foram desde a Campanha da fraternidade 2013, a Juventude, a Jornada Mundial da Juventude, a peregrinação da cruz e do ícone de Nossa Senhora, a eleição do Papa Francisco, o apoio que a CNBB deu ao comitê saúde + 10, a Quinta semana social brasileira cujo tema foi “O Estado que temos e o Estado que queremos”, entre outros.

O presidente da Conferência episcopal destacou principalmente três pontos importantes: a renovação das nossas paróquias, a visita da Presidência da CNBB ao Papa Francisco e o Primeiro Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal, acontecido em Manaus entre os dias 28 e 31 de Outubro.

Referindo-se à visita ao Papa, realizada no final de Setembro desse ano, o cardeal relatou que o Pontífice pediu que houvesse mais empenho na formação dos leigos no Brasil e que se tivesse mais presente a ação da Igreja na Amazônia.

Em seguida, Dom José Belisário, vice-presidente da CNBB, leu e fez pública uma nota sobre os Povos Indígenas e Agricultores. (clique aqui para ler a nota na íntegra), na qual a CNBB “se une à angústia dos povos indígenas e agricultores diante da inércia do governo”.

Por fim, e dada a recente publicação da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium do Papa Francisco, ZENIT perguntou a Dom Raymundo Damasceno, reconhecido amigo do Papa Francisco, o motivo do Pontífice ter preferido uma Exortação pastoral e não tanto a publicação de uma Exortação Pós Sinodal. O prelado disse que o Papa “quis não só tratar sobre um sínodo, mas também abordar outros temas”. Quis, dessa forma, “ampliar o tema”. Também, disse o cardeal, a “CNBB ainda vai aprofundar a Exortação para tirar as suas consequências para a Evangelização do Brasil” e, certamente os bispos e os católicos do Brasil já o estão fazendo, concluiu.