Cardeal Urosa celebrará missa pelo presidente Hugo Chávez em Roma

Local e horário serão definidos em breve

Roma, (Zenit.org) Nieves San Martín | 950 visitas

O cardeal Jorge Urosa Savino, arcebispo de Caracas, Venezuela, celebrará uma missa solene pela alma do falecido presidente Hugo Chávez. A celebração será em Roma, onde o cardeal se encontra para participar do conclave.

O vice-presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que foi nomeado sucessor pessoalmente pelo presidente falecido e que convocará novas eleições dentro de trinta dias, anunciou ontem à tarde a morte do líder “bolivariano” aos 58 anos, em decorrência de um câncer, no Hospital Militar de Caracas, às 16h25 do horário local.

Para a missa de exéquias a ser celebrada na Cidade Eterna, em local e data ainda não definidos, serão convidados todos os venezuelanos “que quiserem participar a fim de encomendar o descanso eterno do presidente Chávez”, diz o comunicado divulgado pelo arcebispado de Caracas.

A arquidiocese expressou condolências aos familiares e instou o governo a aplicar “os mecanismos previstos na constituição”. O comunicado também convida todos os setores da sociedade venezuelana a promoverem “a calma e a harmonia da população”.

Horas antes, o secretário geral da Conferência Episcopal da Venezuela, dom Jesús González de Zarate, bispo auxiliar de Caracas, tinha feito um apelo à "unidade nacional" diante do "fato doloroso" do falecimento do presidente. "Neste momento, ofereçamos os nossos melhores sentimentos", pediu o prelado, em declarações telefônicas para o programa televisivo Aló Ciudadano, do canal privado Globovisión. O bispo recordou que "a morte não é o final da nossa vida; a morte abre as portas para a vida plenamente feliz, ao lado de Deus, nosso Pai".

Em diversas ocasiões, os bispos da Venezuela tinham convidado a população a rezar pela saúde do mandatário. No início da quaresma, em fevereiro, o arcebispo de Caracas e primaz da Venezuela, cardeal Jorge Urosa Savino, voltou a pedir que os fiéis rezassem pela recuperação de Chávez. "Deus quer que a nossa oração seja mais viva. Este ano, a Igreja nos propõe especialmente a leitura da Palavra de Deus. Mas também temos que assistir à santa missa, que revive a ressurreição gloriosa de Jesus Cristo", afirmou o cardeal naquela oportunidade.

A Igreja católica fez votos de que a paz, a calma e a harmonia reinem no país após a trágica notícia. "Acabo de receber a sensível notícia do falecimento do presidente da República, Hugo Rafael Chávez Frías, e elevo as minhas orações ao Senhor pelo eterno descanso de sua alma", disse Urosa, de Roma, em entrevista ao canal estatal Vale TV.

Depois de enviar as condolências aos familiares, amigos e seguidores do presidente, o cardeal apoiou o "chamamento à paz, à calma e a dizer não à violência", feito pelo governo. "Espero que a sensatez e a harmonia reinem no país nos próximos dias", enfatizou.

Por sua vez, o presidente da Conferência Episcopal Venezuelana (CEV), dom Diego Padrón, declarou via rádio: “A CEV se une ao governo e ao Estado venezuelano para compartilhar esta situação dolorosa da morte do presidente da República. E se une a todo o povo venezuelano, porque o presidente é presidente de todos os venezuelanos”.

Padrón também convocou o povo à calma. “A CEV cooperará para que a vida nacional se desenvolva com grande sensatez, serenidade e calma nesta situação difícil de gerir. Chamamos o povo venezuelano a manter a maturidade e a boa conduta”.

O bispo evitou posicionar-se sobre quem deve ser o presidente interino da Venezuela. “Tudo isso está estabelecido na constituição, nas leis, e até agora não vimos nenhum conflito. A constituição já aponta o caminho”.

O governo venezuelano confirmou para esta sexta-feira, 8 de fevereiro, os funerais de Estado em memória do presidente falecido, e declarou sete dias de luto oficial. A cerimônia será às dez da manhã, no horário local, na Academia Militar de Caracas, local em que também acontece o velório.