Carta do visitador apostólico do “Regnum Christi” aos membros consagrados

O arcebispo Ricardo Blázquez

| 1129 visitas

VALLADOLID, quarta-feira, 10 de novembro de 2010 (ZENIT.org) - Apresentamos a carta do visitador apostólico do Regnum Christi, Dom Ricardo Blázquez, arcebispo de Valladolid, dirigida aos membros consagrados deste movimento apostólico, surgido no seio da congregação dos Legionários de Cristo.

* * *

Valladolid, 9 de novembro de 2010.

Queridos irmãos e irmãs no Senhor:

Saúdo todos com respeito e afeto. Ao mesmo tempo em agradeço a Deus pela sua vida consagrada, confio-os à sua Graça na situação presente que vocês atravessam, marcada particularmente pelo sofrimento e pelas provações, pelo discernimento e pela purificação, pela renovação e pela esperança. Manifesto-lhes minha proximidade e disponibilidade para prestar-lhes a ajuda possível, cumprindo a tarefa que me foi confiada. Oro por vocês a Deus, Pai de misericórdia, e me confio às suas orações. Na Igreja, nunca estamos sozinhos; e a companhia dos irmãos na fé se manifesta especialmente nas situações delicadas.

Pela carta que lhes dirigiu o Delegado Pontifício, S. Em.ª Dom Velasio de Paolis, datada de 19 de outubro de 2010, já sabem que recebi a tarefa de Visitador Apostólico para os membros consagrados do Movimento Regnum Christi. Agradeço sinceramente pela confiança que o Santo Padre deposita em mim ao confiar-me tal missão; da minha parte, procurarei cumprir fielmente a tarefa a mim designada. Na mesma carta se escreve que a "visita será feita sob a responsabilidade do Delegado Pontifício e em coordenação com sua responsabilidade sobre toda a Legião de Cristo e o Movimento Regnum Christi". Para receber as orientações do Delegado Pontifício, visitei-o em Roma no último dia 16. Estarei em contato permanente com ele.

O Visitador Apostólico "tem a missão fundamental de encontrar-se com pessoas, recolher informações para ter um quadro da situação real e oferecer à Autoridade competente sugestões e propostas", visando a resolver as situações que devem ser mudadas. Uma vez concluída a Visita, entregarei, se Deus quiser, o informe redigido ao Delegado Pontifício, levando em consideração o que me tenha sido comunicado e que eu possa observar em consciência. Peço-lhes, desde este momento, que me ajudem, com sua comunicação, a prestar-lhes o serviço que se espera da Visita Apostólica.

Em uma reunião, realizada em Valladolid no dia 2 de novembro, com as Assistentes do Diretor Geral e dos Diretores Territoriais para as consagradas, tratamos amplamente sobre a Vida Apostólica e concretizamos alguns aspectos. No dia 5 de novembro, em Madri, tive uma reunião semelhante com o Assistente do Diretor Geral para os consagrados. Desejo que a Visita termine antes do dia 30 de junho de 2011, para que eu possa entregar o informe dentro do prazo disponível.

Se Deus quiser, visitarei suas casas, onde estarei à disposição para escutar as comunicações e receber os escritos que vocês quiserem me entregar. Também terei a oportunidade de entrevistar aqueles que desejem me visitar no lugar que seja mais conveniente. Da minha parte, estou à sua disposição. Todos vocês poderão falar pessoalmente ou entregar seus escritos ao Visitador Apostólico.

Convido-lhes a viver estes meses como tempo providencial de Deus. Deve ser um tempo caracterizado especialmente pela esperança cristã, que se traduz em oração, reflexão, penitência e conversão, paciência, trabalho para ler de novo, pessoalmente ou em comunidade, os documentos da Igreja sobre a Vida Consagrada. Que seja uma espera ativa e serena! O Irmão Rafael, trapista do mosteiro de Venta de Baños (Palência), canonizado há pouco tempo, costumava dizer com sabedoria evangélica: "Nossa ciência consiste em saber esperar". Suas palavras não nos convidam a um aguardar passivo, mas a uma esperança trabalhadora. A pressa não é uma boa conselheira; dediquemos o tempo necessário a cada trecho do caminho.

Desde que tive conhecimento da tarefa de Visitador Apostólico, tenho orado particularmente por vocês diante do Senhor. Coloco o trabalho no colo da Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, Mãe de misericórdia e esperança nossa.

Saúdo-lhes cordialmente no Senhor.

Dom Ricardo Blázquez

Arcebispo de Valladolid