Cazaquistão, terra de evangelização para Roma

Entre as repúblicas da Ásia Central, de maioria muçulmana, o Cazaquistão possui uma maioria cristã: um país a ser conhecido por ocasião da conferência na Universidade Europeia de Roma

Roma, (Zenit.org) Dario Citati | 353 visitas

Alguns poucos especialistas conhecem a história e a realidade do Cazaquistão, um país que, muitas vezes, é confundido com outras repúblicas da Ásia Central. No entanto, basta observar o mapa para entender suas peculiares características. O território desta república, que se tornou independente em 1991, com a dissolução da União Soviética, é imensa: cerca de três milhões de quilômetros quadrados, área que ocupa quase toda a Europa Ocidental.

Historicamente, o território tem visto a alternância de muitos povos e religiões. A população nativa ainda possui uma cultura profundamente enraizada no xamanismo e no folclore tradicional, que muitas vezes constitui um antídoto ao fundamentalismo muçulmano. Mesmo quando o Islã se tornou a religião dominante, a maioria dos cazaques mantiveram os hábitos e costumes pré-islâmicos, com uma forte tendência ao sincretismo religioso, mas também um espírito de tolerância que todos os viajantes e estudiosos reconhecem unanimemente.

O cristianismo, no entanto, tem insuspeitadas origens antigas nestas terras. Os nestorianos, hereges condenados pelo Concílio de Éfeso por negar a maternidade divina de Maria, teve uma grande difusão, migrando do Império Bizantino para toda a Ásia Central no primeiros séculos dC e  conseguiu converter vários khan locais. A evangelização da Igreja Católica pode ser datado do século XI, XII, graças à missão franciscana do Arcebispo João de Montecorvino (1247-1328), um verdadeiro apóstolo do Cazaquistão e da Ásia Central até a China, cuja atividade está ligada à criação das primeiras dioceses. No século XVIII o território cazaque foi anexado pelo Império Russo e sofreu um substancial assentamento de cristãos ortodoxos, em conjunto com a entrada de colonos eslavos.

Com o advento do comunismo, o Cazaquistão sofreu não só a descristianização comum a todas as repúblicas da União Soviética, mas tornou-se notória a presença dos campos de trabalho forçado, para onde foram deportados prisioneiros de todas as nacionalidades. Isso contribuiu ainda mais para tornar este país (que em séculos passados ​​já havia sido habitado por muitos grupos étnicos, devido à sua morfologia territorial facilmente transponível) fragmentado etnicamente. Basta dizer que em 1991, na época da independência do país, os cazaques eram menos de 50% da população total, composta por uma miríade de outras nacionalidades (incluindo russos, ucranianos, alemães, poloneses, tártaros, coreanos).

Depois de setenta anos de ateísmo de Estado, a maioria da população professa hoje o islamismo, o cristianismo é a segunda maior religião do país, superando 20% da população total. A maior parte deste percentual é, obviamente, composta por ortodoxos, muito presente por causa da proximidade histórica e geográfica com a Rússia. Os católicos, que representam menos de 2% do total, são estimados em pelo menos 200 mil: um número incomparável a todas as outras repúblicas vizinhas (Uzbequistão, Tajiquistão, Turquemenistão e Quirguistão), onde os cristãos fiéis a Roma, são apenas alguns. A Igreja Católica no Cazaquistão está presente com a Arquidiocese de Maria Santissima em Astana, a Diocese da Santíssima Trindade em Almaty, a Diocese de Karaganda e a Administração Apostólica de Atyrau.

Em setembro de 2001, João Paulo II visitou o Cazaquistão: foi a primeira visita na história de um Romano Pontífice. Durante a sua estada, ele foi convidado pela Universidade da capital Astana, onde pronunciou um discurso marcado por uma grande compreensão do contexto local (1). Em Novembro de 2010, sob o pontificado de Bento XVI, o Cazaquistão foi visitado pelo então Secretário de Estado Tarcisio Bertone, por ocasião da cimeira da OSCE. O cardeal levou para Astana as relíquias do apóstolo André e transmitiu palavras positivas pela gestão da situação multi-étnica e multi-confessional no país (2).

Em 2012, o cardeal Angelo Sodano se reuniu com o presidente Nursultan Nazarbaev, que também havia convidado o Papa Ratzinger. Na ocasião desta visita, o Decano do Colégio dos Cardeais, consagrou a catedral da cidade de Karaganda, definida como " silencioso sinal e instrumento de evangelização, mas poderoso" pelo Bispo Auxiliar Athanasius Schneider (3). Em Karaganda está o único seminário católico de toda a Ásia Central, onde cresce o número de vocações: um sinal encorajador, se considerarmos que o clero e a hierarquia do lugar não são de origem local. Em 2013, foi consagrada em Astana uma igreja greco-católica de rito bizantino, mas em plena comunhão com Roma (4).

Todas essas características são suficientes para tornar o Cazaquistão único no panorama da Ásia Central - onde os católicos, como mencionado, são pequenas minorias, muitas vezes perseguidos - em geral em todos os países de maioria muçulmana. O governo do país se define como laico, e procura desenvolver um modelo de coexistência entre as civilizações que exalta a diversidade de etnias e confissões em nome de uma cidadania explicitamente elogiada como multicultural. Trata-se de uma abordagem não isenta de instrumentalidade e de tendências ideológicas sincréticas, pensado pelos líderes políticos para manter a unidade de uma sociedade fragmentada que, caso contrário, poderia implodir.

Existem outros problemas, especialmente no que se refere à perspectiva de evangelização. Depois de muitos anos em que a liberdade dos cristãos era totalmente garantida, uma lei de 2011 sobre as associações religiosas foi amplamente criticada por impor maiores limitações à atividade missionária. Deve ser dito, no entanto, que estas medidas foram motivadas principalmente pelo desejo de se opor ao avanço do fundamentalismo islâmico proveniente dos vizinhos Tadjiquistão e Uzbequistão. Mais uma vez, a República da Ásia Central parece ser uma exceção, por sua vontade de combater o extremismo islâmico sem, no entanto, percorrer o caminho do secularismo ocidental. Sendo o país da Ásia Central, onde o catolicismo é quantitativamente mais fundamentado e desfruta de respeito suficiente por parte das autoridades civis locais, o Cazaquistão continua a ser um elemento crucial para as perspectivas de crescimento da Igreja em toda a região.

Para discutir o contexto político e religioso do Cazaquistão, seus problemas e seu potencial, a Universidade Europeia de Roma apresentará um seminário, na manhã de quarta-feira 25 de junho, por ocasião da apresentação de um estudo realizado pelo Instituto Superior de Estudos em Geopolítica e Ciências Auxiliares (ISAG), intitulado A unidade na diversidade. As religiões, etnias e civilizações no Cazaquistão contemporâneo, na presença do Reitor Pe. Lucas Galilizia L.C.

(Trad.:MEM)

NOTA:

(1) Visita pastorale in Kazakhstan: incontro con i giovani. Discorso del Santo Padre, http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/2001/september/documents/hf_jp-ii_spe_20010923_kazakhstan-astana-youth_it.html

(2) Card. Bertone in Kazakhstan consegna reliquia di Sant’Andrea: «Qui serena convivenza religiosa», http://www.toscanaoggi.it/Vita-Chiesa/CARD.-BERTONE-IN-KAZAKHSTAN-CONSEGNA-RELIQUIA-DI-SANT-ANDREA-QUI-SERENA-CONVIVENZA-RELIGIOSA

(3) «Un silenzioso ma anche potente segno e mezzo di evangelizzazione», http://www.zenit.org/it/articles/un-silenzioso-ma-anche-potente-segno-e-mezzo-di-evangelizzazione

(4) Asia/Kazakhstan: Una nuova chiesa greco-cattolica, in memoria di vescovi e preti prigionieri nei gulag, http://www.fides.org/it/news/53528-ASIA_KAZAKHSTAN_Una_nuova_chiesa_greco_cattolica_in_memoria_di_vescovi_e_preti_prigionieri_nei_gulag#.U6NkGZR_ucI