Celebração impregnada de sinais que evocam o Concílio Vaticano II

Monsenhor Rino Fisichella apresenta programa de abertura do Ano da fé para quinta-feira, 11 de outubro 2012

| 888 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 9 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - A celebração inaugural do Ano da Fé será "fortemente impregnada de sinais que evocam o Concílio”. Assim, Monsenhor Rino Fisichella apresentou aos jornalistas presentes na Sala de Imprensa do Vaticano, hoje pela manhã, a celebração que vai inaugurar o Ano proclamado por Bento XVI.

Na cerimônia de abertura, em preparação para a Eucaristia, serão lidos excertos das quatro constituições conciliares que, como apontado por Fisichella, "marcaram o trabalho do Concilio e a renovação da vida da Igreja”.

Depois, será repetida a longa procissão "que no imaginário coletivo remete ao 12 de Outubro de 1962", da qual participarão todos os bispos presentes na celebração solene presidida pelo Santo Padre. À procissão se juntarão os Padres Sinodais que nestes dias participam dos trabalhos sobre a Nova Evangelização e os Presidentes das Conferências Episcopais do mundo.

O Presidente do Dicastério para a Nova Evangelização explicou ainda que 14 padres conciliares que, apesar da idade, manifestaram o desejo e a vontade de chegar a Roma estarão presentes na celebração.

São 70 Padres que participaram do Vaticano II e ainda estão vivos. Todos foram convidados para a solenidade, mas a idade avançada e os problemas de saúde impossibilitaram a participação de alguns. No entanto, disse Fisichella: “confirmaram sua participação espiritual e seu apoio neste momento tão solene para a vida da Igreja”.

Após a procissão seguirá a entronização da Palavra de Deus. Este é um sinal, prosseguiu o arcebispo, que "remete a um momento significativo do Concílio, quando, nas sessões solenes na basílica de São Pedro, entrava em procissão a Sagrada Escritura e era colocada no centro da reunião conciliar para lembrar a todos de estar a serviço da Palavra de Deus que permanece como o centro da ação da Igreja”.

Para a entronização será usado o mesmo púlpito e a mesma Sagrada Escritura dos trabalhos conciliares. No final da celebração eucarística, haverá mais um sinal para indicar que "os ensinamentos do Concílio são atuais e merecem ainda ser conhecidos e aprofundados".

Dentre os participantes provenientes do Brasil para a cerimônia de abertura do Ano da Fé estão: Dom Serafim Fernandes de Araújo, arcebispo emérito de Belo Horizonte e Monsenhor José Mauro Ramalho de Alarcón Santiago, Bispo emérito de Iguatú.

(Trad.MEM)