Celebrar em latim ou em italiano?

A resposta em um novo missal

| 1417 visitas

Por Antonio Gaspari

ROMA, terça-feira, 18 de dezembro de 2012 (ZENIT.org) - Por muito tempo, sentiu-se a necessidade, e agora - 50 anos após o Concílio Vaticano II – chegou nas livrarias. É o missal latino-italiano, publicado pela LAS (Livraria Ateneu Salesiano), editado pelo Pontificium Institutum Altioris Latinitatis da Universidade Salesiana de Roma. Os três volumes de tamanho muito maneável (incluindo o preço) vêm para enriquecer o patrimônio de ferramentas que podem ajudar na participação mais consciente da divina liturgia.

Pela qualidade, a importância da publicação e o papel que pode desempenhar, fizemos algumas perguntas ao professor Manlio Sodi, presidente do Institutum ou Faculdade de literatura cristã e clássica, e diretor da "Revista Litúrgica".

ZENIT: O recente Motu Proprio Latina lingua de Bento XVI teve uma grande cobertura da imprensa mundial;  voltamos finalmente a abordar o patrimônio cultural transmitido com a língua latina?

Prof. Manlio Sodi: O Motu Proprio de Bento XVI apareceu em uma data simbólica, no dia 10 de novembro passado, memória de São Leão Magno. Com ele o Papa institui uma nova Academia Pontifícia destinada a incrementar o conhecimento e o uso da língua latina. O documento teve um grandíssimo eco mundial porque o interesse pelo latim foi crescendo nestes anos e se constatou um aumento vertiginoso daqueles que desejam conhecer melhor a língua e a cultura latina. Aquele que se aproxima do site www.latinitas.unisal.it  pode observar alguns aspectos de tal interesse a nível mundial. E isso para responder também à necessidade de captar mais profundamente as raízes de uma cultura que abraça quase três milênios e que se expressa fundamentalmente em latim.

ZENIT:  É verdade que o latim está voltando à moda? Quais são os sinais e as áreas que podem facilitar o encontro e a utilização?

Prof. Manlio Sodi: Em si o latim nunca passou de moda; a Igreja sempre o usou também quando Instituições civis com uma certa miopia tentaram abandoná-lo nos programas formativos com motivações que não tinham nada a ver com a cultura. O latim está voltando à moda em muitos países não só europeus. Além das instituições acadêmicas há um contexto em que o latim está mais vivo do que nunca e este é a liturgia. Todos os livros litúrgicos oficiais da Igreja de rito romano são, de fato, em latim, confiados depois às diversas Conferências episcopais para a tradução e a adaptação nas línguas modernas.

ZENIT: Presidente, era necessário esperar 50 anos para ver de novo um missal latino-italiano?

Prof. Manlio Sodi: A ocasião do 50º aniversário do Concílio Vaticano II é uma combinação interessante. A publicação do pequeno missal é a coroação de uma espera e uma urgência sentida por muitas partes e Instituições. Era preciso só a coragem de um Editora e de um paciente  redator para colocar juntas 5519 páginas! O material é tanto e, sempre que possível, tentamos ser completos, de modo que a partir do texto latino, colocado sempre na página da esquerda, o texto em língua vernácula esteja do lado, na página à direita. Tudo isso facilita ao máximo a resposta ao motivo pelo qual se pretende usar esta ferramenta.

ZENIT: Como é a apresentação deste precioso subsídio? E onde podemos encontrá-lo com facilidade?

Prof. Manlio Sodi: As mais de 5.000 páginas estão distribuídas em três volumes, muito ágeis e “econômicos”. O primeiro contém tudo o que faz parte da liturgia dominical e festiva. O segundo e o terceiro contêm todos os textos para os dias da semana e santoral, distribuídos da seguinte forma: a) Advento - Natal - Quaresma - Páscoa - Tempo Comum 1-10 e santoral dezembro-junho; b) Tempo Comum 11-34, e santoral junho-novembro.

Depois de uma apresentação na qual se dá o significado do subsídio e especialmente apresenta-se o valor como resposta às várias expectativas, o pequeno missal festivo oferece todos os textos do próprio do tempo, do Rito da Missa e das solenidades e festas.  Desta forma, o subsídio destina-se a responder seja à necessidade para as celebrações seja à possibilidade de verificar a riqueza da linguagem litúrgica na tradução e no original. Para completar vem também o apêndice ao Missal italiano. Índices apropriados das Leituras bíblicas, dos salmos responsoriais e dos cânticos completam a obra.

A obra completa em três volumes é, portanto, um exemplo único que pode responder às diversas expectativas. Além das livrarias católicas, pode-se fazer o contato direto com http://las.unisal.it  seja para mais informações ou para a compra on-line.

ZENIT: O senhor é também diretor da "Revista Litúrgica". Qual é o interesse da revista sobre a traditio e portanto sobre o patrimônio litúrgico que está fundamentalmente em latim?

Prof. Manlio Sodi: No ano de 2013, a "Revista Litúrgica" (www.rivistaliturgica.it) entra no 100º ano de vida. Em sua longa carreira sempre tentou combinar traditio e progressio. Conhecer os tesouros da liturgia da Igreja, das Igrejas, sempre foi motivo de estudo e de aprofundamento encorajando o conhecimento e o estudo das fontes para compreender melhor a riqueza da liturgia de hoje que coloca à disposição o melhor do que as antigas fontes transmitiram. O fascículo n.6 de 2012 - que termina o 99º ano de publicação - tem justamente os dois termos no título para lembrar o programa de um serviço mas sobretudo para destacar o que fez o Vaticano II.

ZENIT: Como é que pode ser usado o pequeno missal latino-italiano nas Instituições formativas ou pelo fiel que tenha estudado o latim?

Prof. Manlio Sodi: Para aqueles que estudaram o latim o uso do missal pode ser uma oportunidade para valorizar o fruto de competências adquiridas com tantos autores mas talvez não com textos maravilhosos como são aqueles das orações e dos prefácios, por exemplo.

Além do mais o missal pode ser útil para os jovens que se preparam para o serviço ministerial e que ao menos uma vez na semana participam  de uma celebração em língua latina (talvez com as leituras em língua vernácula...). É desse modo que se entra nos dinamismos de uma linguagem e em contato com uma terminologia cuja aproximação – em outro contexto do que o cultual – permite fazer ver a relação que há entre muitos termos e a teologia litúrgica que flui destes.

Mas a edição é também um convite para saber valorizar aquelas partes do ordinário da Missa em língua latina, constituídas do Glória, Credo, Sanctus, Agnus Deis... bem como as maravilhosas sequências (Victimae Paschali, Veni Sancte Spiritus, Lauda Sion ...) : textos relacionados ao canto, muitas vezes bem conhecidos, que ainda podem ser seguidos como sinal de comunhão em contextos de fieis com proveniência multi-cultural, ou para manter uma relação explícita com os tesouros da Tradição de Rito Romano.

Para os amantes do latim esta é uma oportunidade valiosa para captar e aprofundar a riqueza da teologia litúrgica contida nas expressões codificadas na eucologia. A verificação da tradução preparada há quase trinta anos pela Conferência Episcopal Italiana deixa vislumbrar as expectativas que serão preenchidas quando aparecer a renovada edição do Missal para a Igreja na Itália.

ZENIT: Quais são as ulteriores perspectiva também para o Institutum Altioris Latinitatis?

Prof. Manlio Sodi: O Institutum tem a sua própria missio orientada a formar pessoas competentes no conhecimento do latim e do grego. Neste horizonte também a Latinitas Liturgica como aquela canônica e eclesiática têm o seu espaço para facilitar o conhecimento das diversas modalidades com que o latim é valorizado hoje na Igreja.

A esperança que levou à edição do pequeno missal coloca-se num contexto de atualidades em que a volta para o latim parece constituir uma expectativa solicitada de muitas partes. O Pontificium Institutum Altioris Latinitatis, instituído por Paulo VI em 1964, patrocinou esta obra, certo de preencher uma longa espera de quase 50 anos. E é na mesma perspectiva que está organizando edições de prestígio nas suas duas coleções “Veterum et Coaevorum Sapientia” (na qual apareceram até agora 7 volumes) e “Flumina ex Fontibus” que acolherá vários volumes a partir do 2013. O desafio portanto continua; nós o recebemos e procuraremos respondê-lo!

(Trad. TS)