Chamado do Papa diante da emergência humanitária na Somália

150 mil civis escaparam de Mogadíscio no último mês

| 1238 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 21 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI lançou um apelo ao fim da violência na Somália e pediu que se procurem soluções pacíficas para o conflito interno.



Sua exortação foi escutada nesta quarta-feira por mais de 15 mil peregrinos que participaram da audiência geral, celebrada na praça de São Pedro, no Vaticano.

«Chegam notícias dolorosas sobre a precária situação humanitária da Somália, especialmente em Mogadíscio, cada vez mais afligida pela insegurança social e pela pobreza», afirmou.

«Acompanho com apreensão – confessou o bispo de Roma – a evolução dos acontecimentos e faço um apelo aos responsáveis políticos, tanto no âmbito local como internacional, para que se encontrem soluções pacíficas e se dê consolo àquela querida população.»

O Papa animou «os esforços de todos que, apesar da insegurança e dos incômodos, permanecem naquela região para ajudar e confortar os habitantes».

A edição em italiano de 21 de novembro de «L’Ossevatore Romano» denunciava: «O drama da capital da Somália aumenta cada vez mais: mais de 150 mil civis escaparam no último mês e a crise humanitária é terrível».

«Para enfrentar o desastre, a UNICEF anunciou a distribuição de ajudas de emergências a mais de 100 mil desabrigados», informava o jornal vaticano.

No conflito, enfrentam-se tropas etíopes e milícias antigovernamentais. O país não tem um governo estável desde 1991, quando começou a guerra civil.

O jornal da Santa Sé, que nos últimos dias está acompanhando de perto a situação, denunciou, na edição de 29/30 de outubro, a inserção no conflito de fundamentalistas ligados à organização terrorista Al Qaeda.