Chegamos!

Dom Orani, arcebispo do Rio de Janeiro, acolhe os jovens peregrinos

Rio de Janeiro, (Zenit.org) Card. Dom Orani Tempesta, O.Cist. | 477 visitas

Os jovens chegaram! Essa cidade maravilhosa se enfeitou ainda mais com a presença de todos durante esses dias! Estão chegando de todos os lados do mundo. Primeiro foram os voluntários. Aos poucos começam a chegar os peregrinos. Na semana que entra todos os caminhos conduzirão ao Rio de Janeiro!

Com muita alegria, acolho todos vocês, queridos jovens, que aportaram na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro para um encontro com Cristo. Olhando para o Corcovado, contemplamos o Cristo Redentor que, de braços abertos para a cidade maravilhosa, nos convida a todos para o mandamento missionário, como tema de nossa semana de encontros, orações, celebrações, partilhas, catequeses, confissões, vigílias, adoração, via-sacra, entretenimento espiritual, e, acima de tudo, o encontro com o Senhor e testemunho de que Cristo Ressuscitado vive e nos convida a "ir e fazer discípulos entre todas as nações!" (cf. Mt 28,19).

Os jovens vêm de longe ou de perto, do Brasil e do exterior. O afastamento da cidade ou da pátria é algo que Deus às vezes exige dos homens que escolhe; aceitá-Lo com fé na sua promessa é sempre uma condição misteriosa e fecunda para o desenvolvimento e o crescimento do povo de Deus na Terra. O Senhor disse a Abraão: "Sai da tua terra, da tua pátria e da tua casa paterna e vai para a região que eu te mostrar. E eu farei sair de ti um grande povo e te abençoarei; engrandecerei o teu nome e serás uma fonte de bênção" (cf. Gn 12,1).

A verdade e a força do mandato missionário nascem das profundezas do mistério da Redenção, e a sua obra evangelizadora entre os povos deve constituir um elo importante na missão que o Salvador confiou à Igreja até o fim dos tempos. Ela constituiu – numa época determinada e em circunstâncias concretas – o cumprimento das palavras de Cristo que, com o poder da sua Cruz e da sua Ressurreição, ordenou aos apóstolos: "Pregai o Evangelho a toda criatura" (Mc 16, 15). "Ide, ensinai todas as gentes" (Mc 28,19). Os peregrinos da JMJ, impelidos pelo mandato apostólico, irão se deixar orientar pelo ideal apostólico de São Paulo: "De fato, todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, pois quando fostes batizados em Cristo, revestistes-vos de Cristo. Não há judeu nem gentio, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher: todos vós sois um só em Cristo Jesus" (cf. Gl 3,26-28).

Além de um grande respeito pelas pessoas e da solicitude desinteressada pelo seu verdadeiro bem, o peregrino, que se coloca como discípulo-missionário de Jesus, deve demonstrar ter também os adequados recursos de energia, de prudência, de zelo e de caridade, indispensáveis para levar a luz aos fiéis cristãos e, ao mesmo tempo, para lhes indicar o bem e para ajudá-los concretamente a alcançá-lo. Este é o objetivo que deve nortear a todos os que, terminada a JMJ, passarão aqui mesmo em nossa cidade e, particularmente depois desta Jornada, para levar o Evangelho; procurando integrar-se nas realidades secularizadas e hostis ao anúncio do Evangelho e compartilhar em tudo a sua sorte, particularmente àqueles que vivem nas periferias.

A ingente missão do Cristo Redentor, confiada à Igreja, está ainda bem longe do seu pleno cumprimento. Após a Sua vinda, uma visão de conjunto da humanidade mostra que tal missão está ainda no começo, e que devemos empenhar-nos com todas as forças no seu serviço. É o Espírito Santo que impele a anunciar as grandes obras de Deus! "Porque se anuncio o Evangelho, não tenho de que me gloriar, pois que me foi imposta esta obrigação: ai de mim se não evangelizar!" (1 Cor9, 16).

Qual deve ser a intenção dos peregrinos? O que me anima e deve animar os romeiros a proclamar a urgência da evangelização missionária é que ela constitui o primeiro serviço que a Igreja pode prestar ao homem e à humanidade inteira. No mundo de hoje, que, apesar de conhecer realizações maravilhosas, parece ter perdido o sentido último das coisas e da sua própria existência, a nova evangelização é tarefa urgente! Nosso Senhor Jesus Cristo revela plenamente o homem a si próprio. O homem que a si mesmo se quiser compreender profundamente deve aproximar-se de Cristo. A Redenção, operada na Cruz, restituiu definitivamente ao homem a dignidade e o sentido da sua existência no mundo. Nesse sentido, urge promover e conscientizar da necessidade das vocações missionárias; estimulando os teólogos a aprofundar e expor sistematicamente os vários aspectos da missão; relançar a missão, em sentido específico, comprometendo as Igrejas particulares a mandarem e a receberem missionários; garantir aos não-cristãos, revelando a todos os homens e mulheres de boa vontade, o amor de Deus manifestado em Cristo Jesus.

O Concílio Ecumênico Vaticano II ofereceu um grande realce ao papel da Igreja em favor da salvação da humanidade. Enquanto reconhece que Deus ama todos os homens e lhes dá a possibilidade de se salvarem (cf. 1 Tim2, 4), a Igreja professa que Deus constituiu Cristo como único mediador e que ela própria foi posta como instrumento universal de salvação. "Todos os homens, pois, são chamados a esta católica unidade do Povo de Deus (...) à qual, de diversos modos, pertencem ou estão ordenados quer os fiéis católicos, quer os outros crentes em Cristo, quer universalmente todos os homens chamados à salvação pela graça de Deus". É necessário manter unidas estas duas verdades: a real possibilidade de salvação em Cristo para todos os homens, e a necessidade da Igreja para essa salvação. Ambas facilitam a compreensão do único mistério salvífico, permitindo experimentar a misericórdia de Deus e a nossa responsabilidade. A salvação, que é sempre um dom do Espírito Santo, supõe a participação do homem para se salvar tanto a si próprio como aos outros. Assim o quis Deus e, por isso, estabeleceu e comprometeu a Igreja no plano da salvação. Este povo messiânico – ensina o Concílio – estabelecido por Cristo como uma comunhão de vida, amor e verdade, serve também, nas mãos d'Ele, de instrumento da redenção universal, sendo enviado a todo o mundo como luz desse mundo e sal da terra.

Vivamos nesta intensa JMJ que se aproxima a busca do rosto sereno e radioso de Jesus Cristo! Que estes dias sejam de encontro com Cristo, ouvindo a sua voz, caminhando com Ele e testemunhando-O a todas as pessoas de boa vontade. Que a Cruz de Cristo, que peregrinou pelo Brasil e por alguns países da América Latina, nos ilumine a tomar a nossa cruz diária e testemunhá-la a todos os homens e mulheres que procuram o seu “encontro” com o Redentor! Que o povo de nossa amada Arquidiocese continue acolhendo, com o jeito bem carioca, todos os peregrinos com carinho e muito calor humano que só o carioca sabe fazer. Sejam bem-vindos e vivamos esta semana no clima da fé de permanente escuta e vivência da escola do amor, da caridade e da paz que brota do Cristo Redentor, que a todos acolhe de braços abertos!

Que todos nós, peregrinos e fiéis, tenhamos uma frutuosa e apostólica JMJ-Rio 2013! Feliz Jornada para todos!

Orani João Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ