Chile: Te Deum de ação de graças pelos 203 anos de independência

Mensagens da Igreja convidam à reconciliação, 40 anos após o golpe militar

Roma, (Zenit.org) | 355 visitas

No 203º aniversário da independência do Chile, os bispos do país presidiram celebrações do Te Deum para dar graças a Deus “pela vida do Chile e dos seus habitantes”. De acordo com as informações veiculadas pelo episcopado chileno, as dioceses incentivaram todo o povo do país “a construir uma sociedade mais justa e fraterna”.

A expressão latina Te Deum significa “A Vós, ó Deus”. São as duas primeiras palavras de um tradicional cântico de louvor e de agradecimento. O Te Deum é rezado tradicionalmente no Chile desde 1811, ano em que José Miguel Carrera pediu às autoridades eclesiásticas que fosse celebrada uma ação de graças para comemorar o primeiro aniversário da Junta Nacional de Governo.

Desde 1971, o Te Deum tem caráter ecumênico. Naquele ano, o então arcebispo de Santiago, cardeal Raúl Silva Henríquez, convidou os bispos e pastores de outras Igrejas cristãs a participarem com as suas orações na cerimônia, atendendo a uma solicitação do então presidente da República, Salvador Allende.

Em Santiago, o Te Deum ecumênico foi presidido por dom Ricardo Ezzati, SDB, atual arcebispo da capital, e contou com a participação do presidente da República, Sebastián Piñera, além de outras autoridades da nação. Na homilia, Ezzati convidou o povo "a manter o olhar direcionado para o bem comum e para a construção da fraternidade, a fim de que, dentro da verdade e do respeito, com amor, franqueza e diálogo incansável, as portas se mantenham abertas para o reencontro e para a convivência em paz".

O bispo de Calama, dom Guillermo Vera, recordou por sua vez os presos políticos desaparecidos e executados, pronunciando a frase "Nunca mais!”. Vera convidou os fiéis da sua diocese a "não permitir que a cegueira das nossas paixões nos leve a não nos reconhecermos como irmãos. Não podemos permitir que o ódio volte a matar a alma do Chile".

Perto dali, o arcebispo de Antofagasta, dom Pablo Lizama, destacou que "um bom cristão deve ser um bom cidadão, com virtudes promovidas a partir da fé: a honra, o respeito pelo próximo, a sobriedade de vida, o trabalho bem feito, o amor pela justiça e a verdade".

Outras cidades, como Valparaíso, Rancagua e Punta Arenas, também deram graças a Deus pelo dom da unidade e lançaram apelos pela reconciliação, quarenta anos após o golpe militar no país.