China: pressões sobre o bispo clandestino de Tianshui

Monsenhor John Wang Ruowang foi forçado a ter sessões de estudo

| 845 visitas

ROMA, quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 (ZENIT.org) - Na China, a polícia aumentou recentemente a pressão sobre o bispo da diocese de Tianshui (em Gansu), o bispo John Wang Ruowang. O prelado - ordenado recentemente - e muitos dos seus sacerdotes foram obrigados a participar das assim chamadas "sessões de estudo" durante as quais agentes da segurança pública tentaram obter informações sobre a ordenação de Wang, acontecida na clandestinidade com mandato Papal no final do ano passado. A agência UCA News eEglises d'Asie difundiu a notícia ontem.

De acordo com fontes da Igreja local, citadas pela agência, o bispo foi preso no dia 30 de dezembro de 2011, enquanto saia de uma igreja paroquial, para primeiro ser transferido para um estabelecimento da polícia de Tianshui. Monsenhor Wang, 50 anos, que pôde permanecer na posse do telefone celular, foi contatado pelos seus parentes, e lhes disse que estava em "boa saúde" e de "alto astral".

O bispo disse que foi submetido à "conversas e sessões de formação" e teme que o mesmo destino corresponda a uma série dos seus sacerdotes. De fato, no passado 04 de Janeiro 7 sacerdotes da diocese de Tianshui foram levados pela polícia para serem submetidos, por sua vez, a "sessões de estudo". Dois deles já voltaram em liberdade, porém com a tarefa de  estudar em casa alguns "documentos".

Como lembra Eglises d'Asie, já no mês de agosto do ano passado prisões semelhantes haviam sido realizadas entre o clero diocesano de Tianshui. De acordo com relatos da agência de notícias das Missões Estrangeiras de Paris, parece que a ação policial está ligada à ordenação episcopal do bispo Wang. O prelado pertence de fato à parte "clandestina" da diocese de Tianshui, que tem 20.000 fiéis e uns trinta sacerdotes, divididos igualmente entre "clandestinos" e "oficiais".
Para o bem da unidade, a Santa Sé havia nomeado no ano passado monsenhor Wang bispo titular de Tianshui e padre Bosco Zhao Jianzhang bispo "coadjutor". A ordenação deste último, que estava na cabeça da parte "oficial" da diocese, ainda não ocorreu. Mas, aquela de Monsenhor Wang aconteceu no final do ano passado sem o conhecimento das autoridades chinesas. É esse segredo, ao que parece, que está mobilizando agora a polícia, que por meio de pressões está buscando obter informações precisas sobre data e sobre circunstâncias da ordenação.
Em Gansu, uma província remota do noroeste da China, a diocese de Tianshui apresenta segundo Eglises d'Asie um "quadro frustrado". A comunidade clandestina foi guiada até o 2003, ano da sua saída, por Mons. Casimir Wang Milu. Desde então, a diocese foi administrada pelo Padre João Batista Wang Ruohan (Wang Milu, Wang Ruohan e Wang Ruowang são três irmãos). Da parte "oficial", a diocese foi administrada até a sua morte em 2004, por Mons. Augustine Zhao Jinglong. Desde então, o administrador "oficial" foi o padre Bosco Zhao Jianzhang, sobrinho de Mons. Augustine Zhao.

No contexto atual, caracterizado pelas ordenações ilegítimas dos últimos meses, parece que as autoridades do Gansu estejam querendo promover o padre Bosco Zhao Jianzhang para bispo ordinário de Tianshui. De fato, como lembra Eglises d'Asie, um documento do Departamento do Frente Unida do Gansu chama a eleição de um novo bispo para Tianshui de uma prioridade. A ordenação episcopal de Mons. Wang, no entanto, pegou todos de surpresa.

(Tradução TS)