Coleta para erigir escultura monumental de João Paulo II em León (México)

Será feita com a participação direta dos fiéis

| 526 visitas

LEÓN, terça-feira, 5 de junho de 2007 (ZENIT.org-El Observador) .- Pouco mais de dois anos desde a sua morte, iniciou na arquidiocese de León, no estado mexicano de Guanajuato, uma singular coleta para erigir uma estátua monumental de João Paulo II na catedral da cidade, no centro do México.



Em uma exortação aos fiéis, o primeiro arcebispo de León, Dom José Guadalupe Martín Rábago, assinalou que a lembrança da pessoa de João Paulo II e a estima pelo seu testemunho de santidade se fortalece com o passar do tempo.

«Fazer uma recontagem das ricas qualidades com que Deus o dotou e que ele cultivou generosamente seria quase impossível, mas, sem temor a equivocar-me, eu poria em primeiro lugar sua característica de homem de fé e testemunha valente de Jesus Cristo crucificado e ressuscitado», sublinhou Dom Martín Rábago.

«Em muitas cidades do mundo -- disse o purpurado --, dedicaram-lhe avenidas; levantaram monumentos que expressam a convicção de que esse Papa foi um presente de Deus para a humanidade; cada dia se faz mais evidente a grandeza desse pontífice e a certeza de que a mensagem que nos ele deixou conserva plena atualidade.»

Segundo o arcebispo de León, nessa cidade episcopal «faltava, contudo, uma escultura, como digno testemunho do lugar único que esse grande pontífice ocupa».

Depois de deliberar a forma e o lugar, «chegou-se à decisão de colocar uma escultura, elaborada em bronze, no átrio da Catedral, para que possa ser vista de perto, com atenção e venerada com o respeito que permite um espaço que nos oferece espiritualidade na entrada do Templo mais representativo de nossa diocese».

A obra está na fase de definição de detalhes, mas o projeto está muito adiantado. Para a realização -- disse Dom Martí Rábaga -- precisa-se do apoio de toda a comunidade.

Em concreto, o arcebispo de León está solicitando aos fiéis materiais utilizáveis para a fundição da escultura; podem ser chaves velhas, qualquer coisa de metal que não contém óleo, substâncias químicas e que sejam peças de metal: alumínio, aço inoxidável, cobre, bronze, latão, moedas velhas nacionais ou estrangeiras; a única coisa que se requer é que não haja outros materiais aderidos.

A coleta começa nesta primeira semana de junho e concluirá na segunda semana de julho, informa o comunicado de Dom Martín Rábago.