Colômbia: ELN liberta canadense após mediação da Cruz Vermelha e da Igreja

Arcebispo de Cali e superior jesuíta na Colômbia fizeram parte da missão humanitária

Roma, (Zenit.org) | 348 visitas

O grupo guerrilheiro colombiano Exército de Libertação Nacional (ELN) libertou ontem o geólogo canadense Jernoc Wobert, sequestrado desde 18 de janeiro. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha confirmou a libertação do refém com um comunicado: "Jernoc Wobert foi entregue pelo ELN, em uma região rural do sul do departamento de Bolívar, a uma missão humanitária integrada por delegados do CICR e, a pedido do ELN, pelo arcebispo de Cali [dom Dario de Jesús Monsalve] e pelo superior da comunidade jesuíta na Colômbia [padre Franciso de Roux]".

O gesto do ELN é visto como um passo importante para o diálogo de paz com o segundo grupo guerrilheiro da Colômbia depois das FARC, que já participam de diálogos em Cuba.

Wober, que era diretor de explorações da empresa canadense de mineração Braeval Mining, foi sequestrado em uma mina de ouro do departamento de Bolívar, junto com dois cidadãos peruanos e três colombianos. Os outros reféns foram libertados em fevereiro.

Wober foi mantido em cativeiro para pressionar a Braewal Mining a devolver concessões de mineração que, segundo o ELN, eram ilegítimas. Em julho, a empresa anunciou sua retirada da região por motivos de mercado.

O chefe guerrilheiro afirmou que entregaria o canadense aos dois delegados da Igreja Católica como um "ato humanitário".
No comunicado do ELN, ele declara: "Esperamos que este esforço contribua para um sadio intercâmbio e para a paz na Colômbia".


“Queremos ressaltar, em nossa mensagem, que este desenlace demostra que são possíveis as soluções negociadas dos conflitos, mesmo existindo interesses contrapostos", prossegue o texto, indicando um desejo de negociar por parte do grupo.

O presidente Juan Manuel Santos tinha condicionado o início de eventuais diálogos de paz com o ELN à libertação do canadense.