Começa hoje na Coreia do Sul a X Assembleia do Conselho Ecumênico das Igrejas de Genebra

Apoio às famílias, educação dos jovens, solidariedade com os irmãos vulneráveis: os temas da mensagem do papa aos participantes

Roma, (Zenit.org) | 491 visitas

Começou hoje a X Assembleia Geral do Conselho Ecumênico das Igrejas (CEI) de Genebra. O encontro, em Busan, na República da Coreia do Sul, decorrerá até o dia 8 de novembro e terá como lema "Deus da vida, levai-nos à justiça e à paz".

O papa Francisco enviou nesta manhã as suas saudações pessoais aos participantes da plenária. Entre eles, mais de 3.000 delegados oficiais representando 345 igrejas e comunidades eclesiais afiliadas ao organismo de Genebra, bem como igrejas não-membros e organizações associadas.

Na mensagem, que foi lida pelo cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, o Santo Padre recomenda as duas coordenadas que os participantes deverão seguir durante o trabalho: “oração” e “atenção às necessidades mais urgentes do nosso tempo”.

O papa "reafirma o compromisso da Igreja católica para continuar a cooperação de longa data com o Conselho". Ao mesmo tempo, exorta "todos aqueles que seguem a Cristo a orar mais e a cooperar no serviço do Evangelho", levando em consideração as necessidades do mundo globalizado, que "exige que os cristãos deem testemunho do valor da dignidade da pessoa, que vem de Deus".

O objetivo, disse Francisco, é defender "uma educação integral dos jovens", oferecer "apoio às famílias, que são a célula fundamental da sociedade", e dar "garantias para que o exercício da liberdade religiosa não seja impedido [...] Na fidelidade ao Evangelho, somos chamados a alcançar todos aqueles que estão nas periferias existenciais da sociedade e a levar a nossa particular solidariedade aos irmãos e irmãs mais vulneráveis". Entre eles, o papa cita "os pobres, os deficientes, os nascituros e os doentes, os migrantes e os refugiados, as pessoas idosas e os jovens sem trabalho".

Oferecendo a sua oração pessoal, o Santo Padre expressou a esperança de que "a assembleia ajude a dar um novo impulso de vida e uma nova visão a todos os envolvidos na causa sagrada da unidade dos cristãos".

A Assembléia é convocada a cada sete anos. A reunião anterior se realizou em 2006, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Este ano, é organizada pelo Conselho de Igrejas da Coreia, na diocese de Busan.

A nota informa ainda que o cardeal Koch vai participar da sessão de abertura da assembleia e que dom Brian Farrell, secretário do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, chefiará a delegação católica oficial, composta por 25 membros, dos quais sete são coreanos. Eles participarão como observadores, incluindo representantes da Cúria Romana, das conferências episcopais, de institutos de vida consagrada e de movimentos leigos.

A Igreja Católica, conclui o comunicado, mesmo não sendo membro do CEI, colabora de várias formas com a organização e com a sua Comissão Fé e Constituição, cuja função é fomentar a unidade cristã por meio da reflexão em comum sobre as questões que ainda dividem os cristãos, incluindo, em particular, a eclesiologia. Entre as ferramentas de colaboração, o Grupo Misto de Trabalho, criado em 1965, é a principal estrutura de coordenação das relações entre a Igreja católica e o CEI.