Começa hoje no Rio de Janeiro o Simpósio Teológico sobre os 50 anos do Concílio Vaticano II

Entrevista com Dom Anselmo Chagas de Paiva, OSB, Diretor da Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 528 visitas

Começa na tarde de hoje e vai até a quarta, 23, o Simpósio Teológico sobre os 50 anos do Concílio Vaticano II a ser realizado no Colégio de São Bento, Rio de Janeiro (RJ).

O evento tem como público alvo sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos que refletirão juntos os diversos documentos conciliares.

O Simpósio está sendo organizado pela Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro em conjunto com a Arquidiocese do Rio de Janeiro. A missa de encerramento será celebrada por Dom Orani Tempesta.

Dom Anselmo, Diretor da Faculdade e organizador do Simpósio, concedeu uma exclusiva à ZENIT explicando aos nossos leitores o objetivo do evento.

Dom Anselmo Chagas de Paiva, OSB é o Diretor da Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro, doutor em Direito Canônico,  Promotor de Justiça e Defensor do Vínculo do Tribunal Interdioceano do Rio de Janeiro e atualmente é também professor no Instituto Superior de Direito Canônico e na Universidade Católica de Salvador, Bahia.

Acompanhe a entrevista a seguir: 

***

ZENIT - A Faculdade São Bento do Rio está promovendo um Simpósio Teológico com o tema "A fé há 50 anos do Vaticano II". Para o Senhor porque um evento com esta temática é tão importante mesmo tendo passado 50 anos?

Dom Anselmo - Embora o Concílio Vaticano II não tenha tratado expressamente da fé, todavia – como disse certa vez o Papa Paulo VI – fala dela em cada página de seus documentos, reconhece o seu caráter vital e sobrenatural. Basta lembrar as afirmações conciliares sobre a necessidade conjunta da Igreja docente e da fé (Lumen Gentium, 14, 48).  O tema da fé é ainda desenvolvido em função do diálogo ecumênico (Unitatis redintegratio, 11), sobre o papel dos Bispos no ensinamento das verdades da fé (Christus Dominus, 36), sobre o encontro da fé e da razão numa única verdade a nível dos estudos superiores (Gravissimum Educationis, 10), sobre a síntese nova, que se percebe possível e magnífica entre a fé antiga e a cultura moderna (Gaudium et Spes, 58) e assim por diante. Tudo isto nos leva a perceber da importância Concílio, desenvolvido em total coerência com a tradição doutrinal da Igreja.

E o Ano da Fé teve início no cinqüentenário da abertura do Concílio. Esta coincidência nos  permite ver que o Concílio sobre a fé, por nos ter convidado a repor, no centro da nossa vida eclesial e pessoal, o primado de Deus se desenvolveu sobre a base da fé em Cristo. Na verdade, a Igreja sabe que este dom de Deus deve ser nutrido e revigorado sem cessar para continuar a orientar o seu próprio caminho. O Concílio Vaticano II fez brilhar a fé no âmbito da experiência humana, percorrendo assim os caminhos do homem contemporâneo. Desta forma, se viu como a fé enriquece a existência humana em todas as suas dimensões, razão pela qual o seu estudo é sempre necessário e importante. Além do mais, a fé, a esperança e a caridade constituem, em uma interligação admirável, o dinamismo da vida cristã rumo à plena comunhão com Deus (cf. Lumen Fidei, nº 6 e 7).

A Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro no seu Simpósio anual já comemorou em 2012 os 50 anos da abertura do Concílio. Volta mais uma vez a este grande evento eclesial para abordar alguns de seus documentos mais importantes (Constituições Lumen Gentium, Sacrosanctum Concilium, Gaudium et Spes e Dei Verbum, Decretos Ad Gentes e Unitatis Redintegratio)  sob o ângulo da fé. Desta forma está também a Faculdade inserida no Ano da Fé, que teve início a 11 de outubro de 2012, devendo concluir na próxima Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, 24 de novembro de 2013. 

ZENIT - Dentro da Programação do evento teremos oportunidade de tratar de alguns documentos da Igreja como a Gaudium et Spes e a Lumen Gentium. As Propostas destes dois grandes documentos do Vaticano II já não foram plenamente cumpridas nestes 50 anos? Ou ainda devemos dedicar tempo, como neste Simpósio, para rever como algumas propostas foram aplicadas e outras já até tínhamos esquecido?

Dom Anselmo - Estas duas constituições conciliares, Gaudium et Spes e Lumen Gentium, não perdem o significado em tão curto período como é o caso de 50 anos. Mais até, um período desse não é suficiente para que tais documentos possam ser compreendidos, apreciados e aplicados em sua totalidade. Além do mais, a proposta do Simpósio é refletir sobre esses documentos à luz de sua recepção e aplicação. Este elemento visa destacar a contribuição que eles já deram para a vida da Igreja. Mas, sem dúvida, essa mesma perspectiva ajuda a perceber a reserva de sentido e as potencialidades que esses documentos contêm.

Alguns temas estão ainda sendo aprofundados em seu significado e em suas consequências. No caso da Lumen gentium, poderíamos destacar o tema da colegialidade episcopal, das conferências episcopais, da missão dos leigos na Igreja e no mundo, entre outros, como ainda em desenvolvimento. Da Gaudium et spes, a temática da relação entre a Igreja e o mundo atual passou por grandes transformações desde a conclusão do Concílio Vaticano II. Para dar um exemplo, a questão da família se tornou mais complexa, como também a compreensão da laicidade do Estado.

ZENIT - Por fim qual será a programação e o local de inscrição para os leitores de ZENIT não perderem esta oportunidade?

Dom Anselmo - Abaixo apresento a programação do Simpósio:

Dia 21 de outubro, segunda-feira

13h15 – Abertura – Dom Paulo Cézar Costa, Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro

13h30 (1ª conferência) – “A dimensão missionária a partir do decreto Ad Gentes”, Dom Luciano Bergamin, Bispo de Nova Iguaçu-RJ

15h – Coffee break

15h30 (2ª conferência) – “A Gaudium et Spes: Harmonia entre fé e humanidade”, Pe. José Rafael Solano Duran, Doutor em Teologia moral pela Pontifícia Universidade Gregoriana; Pós-doutorado pela Pontifícia Universidade Lateransense, assessor da CNBB na Comissão de Família e Vida e Professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Dia 22 de outubro, terça-feira

13h30 (1ª conferência) – “‘Deus quaerens in homine hominem’: Por uma releitura cristológico-soteriológica da relação revelação e fé na Dei Verbum”, Pe. Luís Henrique Eloy e Silva, Doutor em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma e professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Na CNBB, é assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé e coordenador da equipe de revisão da Bíblia

15h – Coffee break

15h30 (2ª conferência) – “A Lumen Gentium: Ontem, hoje e o ano da fé”, Pe. Geraldo Luiz Borges Hackmann, Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. É membro da Comissão Teológica Internacional e da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé da CNBB

Dia 23 de outubro, quarta-feira

13h30 (1ª conferência) – A Constituição Sacrosanctum Concilium e o culto em Espírito e Verdade, D. Paulo de Souza Silva, OSB, Doutor em Liturgia pelo Pontifício Ateneu Santo Anselmo de Roma. Abade da Abadia de São Geraldo em São Paulo

15h – Coffee break

15h30 (2ª conferência) – “Que todos sejam um, para que o mundo creia” (Jo 17,21): Quase cinquenta anos após o Decreto Unitatis Redintegratio do Concílio Vaticano II, Pe. Jesus Hortal Sánchez, SJ, Doutor em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Gregoriana e antigo Reitor  da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

17h – Encerramento – D. Orani João Tempesta, O.Cist, Arcebispo do Rio de Janeiro

As vagas para este evento são limitadas. As inscrições estão abertas, sendo cobrada uma taxa de R$ 90,00, dando direito a coffee break e uma sacola com variado material. No último dia do simpósio, será conferido um certificado aos participantes. A presença deve ser registrada mediante assinatura em listagens disponíveis no hall do auditório. As listagens devem ser assinadas diariamente, no momento da chegada.

Informações e inscrições no site www.faculdadesaobento.org.br ou na Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro (rua D. Gerardo, 68 – Centro) Telefones (21) 2206-8310 e (21) 2206-8281.