Como chegar a ser exorcista hoje?

Encontro com o autor de “O Rito” no Ateneu Pontifício ‘Regina Apostolorum’

| 2674 visitas

ROMA, segunda-feira, 4 de abril de 2011 (ZENIT.org) - O diabo existe? Para o Pe. Gary, sacerdote californiano, a existência do diabo havia sido sempre uma questão puramente teórica, ligada a uma forma arcaica e supersticiosa de viver a fé.

Por isso, quando seu bispo pede que ele vá até o Ateneu Pontifício ‘Regina Apostolorum' de Roma para acompanhar um curso sobre exorcismo, a primeira reação foi de surpresa e de ceticismo.

As aulas, sob a guia de grandes exorcistas, como Gabriele Amorth e Francesco Bamonte, e sobretudo a aprendizagem junto ao Pe. Carmine, exorcista veterano, revolucionando suas ideias confusas e céticas sobre o tema, levam o Pe. Gary a perceber que a presença do Maligno é concreta e muito mais difundida do que se imagina.

Esta é a história contada por Matt Baglio en seu livro semibiográfico: ‘Il rito. Storia vera di un esorcista di oggi' (Editore Sperling & Kupfer Collana). A novela se tornou popular graças também à sua adaptação cinematográfica, no filme "O Rito", dirigido por Mikael Håfstrom.

Dentro de poucos dias, Matt Baglio apresentará sua novela na universidade onde começou a história do livro: o Ateneu Pontifício ‘Regina Apostolorum', em Roma.

"A ideia do livro surgiu quando eu soube dos cursos oferecidos pelo ‘Regina Apostolorum', afirmou Baglio. Como jornalista ‘freelancer', achei que seria uma boa notícia. A única coisa que eu sabia sobre o exorcismo era o que havia visto nos filmes de Hollywood, como ‘O exorcista', e me perguntava como a Igreja ainda podia acreditar nisso."

Portanto, Matt fez a experiência que depois faria seu personagem, o Pe. Gary, também ele californiano. "Acompanhando o curso, percebi que a realidade do exorcismo é muito diferente de tudo o que eu já havia imaginado."

Matt Baglio - e nós com ele - segue, passo a passo, a aprendizagem do Pe. Gary e, com o olhar lúcido do jornalista de investigação, oferece-nos uma reportagem única sobre uma realidade totalmente desconhecida, frequentemente deformada por filmes e novelas, quase sempre inexplicável.

"O Rito" obriga tanto o crente como o cético a considerar de modo totalmente novo a inusitada presença do diabo e, neste sentido, pertence a esse raro e precioso gênero de livros capaz de transformar quem se aproxima dele.

Quando se admite a possibilidade de uma existência superior que tende ao bem, não é difícil acreditar que a personificação do mal possa, em determinadas circunstâncias, manifestar-se.

"A escolha de não acreditar no diabo não o protegerá dele", diz o protagonista, com uma das frases mais marcantes do filme.

Na verdade, a pergunta última que a leitura do livro provoca é a formulada pelo nome do site do filme: "What do you believe?" (Em que você acredita?).

Mais informações: www.upra.org; www.unier.it; telefone: (0039) 06.66.54.31

(Alfonso Aguilar, L.C.)