Como melhorar a Pregação Sagrada

Coluna do Pe. Antonio Rivero, L.C., professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C. | 2028 visitas

Falemos agora do pregador sagrado: catequista, diácono, sacerdote, bispo.

O que é que um pregador tem que fazer antes de pregar?

Em primeiro lugar, deve escutar a Palavra de Deus, pois é aí onde “toda a instrução cristã, e em lugar privilegiado a homilia, recebe da Palavra da Escritura alimento saudável e por ela dá frutos de santidade” (Concílio Vaticano II, Dei Verbum 24). Você pode seguir estes passos:

Pegue o texto bíblico e leia: tem que ser uma leitura na fé e a partir da fé: o pregador se aproxima do texto na fé da Igreja, num tempo litúrgico, num momento determinado da vida eclesial e no meio das tarefas pastorais da sua comunidade.

Também ajudará um mínimo trabalho de exegese dos textos: é o enfrentar-se cientificamente com o texto, para chegar até o sentido literal. O sentido literal (humano) consegue chegar ao que o autor sagrado quis expressar, no seu contexto histórico, seus destinatários e o gênero literário empregado. Para a exegese o pregador também pode se ajudar de comentários desse texto bíblico: Tal comentário não ser muito prolixo, nem deve se perder nos detalhes, mas aproximar-nos do contexto histórico e do sentido do texto. Mas não posso ficar só com isso.

O pregador tem que encontrar o significado mais profundo dos textos, o seu alcance espiritual. E isso se consegue através da própria meditação pessoal dos textos. "É dentro da letra, na profundidade do sentido literal, que deve buscar-se o sentido espiritual do texto sagrado” (Inácio de Potterie, "A interpretação da Sagrada Escritura"). Portanto, é necessário chegar no sentido espiritual (divino) do texto sagrado, no que Deus queria dar a conhecer com essas palavras do autor sagrado. Este é o sentido que mais nos interessa na pregação, e se consegue chegar a ele quando se lêem e se meditam esses textos bíblicos sob a influência do Espírito Santo no contexto do mistério pascal de Cristo e da vida nova que provém dele. Como pregador me interessa o sentido literal (exegese) em ordem ao sentido profundo espiritual para que seja alimento para os ouvintes. Dessa forma passa-se do “então” para o “hoje”. Isso é a pregação.

Por isso, ninguém mais que o pregador deve ser um ouvinte da Palavra de Deus tão pontual e disposto. A Palavra de Deus vai penetrar primeiro no pregador. Este conhecimento ruminante e sapiencial da Escritura é o que mais precisamos como pregadores, e o que mais nos dará luz e forças para o caminho, tanto para nós (para não ficar falando ideias pessoais ou cair na vaidade) como para os que nos escutam. Sem meditação, a pregação torna-se um produto da mesa de despacho, que deve ser derramado sobre o povo desde o púlpito. Na meditação se experimenta a força viva do texto. Somente quando o pregador se deixou interpelar pelo texto, pode convidar também a sua comunidade. Trata-se de fazer passar o sentido da página sagrada à própria vida e à vida dos fieis. A meditação é a ponte na qual se encontram a Palavra de Deus e o homem de hoje. Todo pregador deveria dizer o mesmo que São João: “O que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos... nós vos anunciamos” (1 Jo 1, 1-3). Dom Ángel Herrera dizia que “as homilias devem aquecer-se no Sacrário e na oração... a Palavra de Deus, seja qual for o tom, o lugar e o auditório, não pode ser servida fria” (A Palavra de Cristo, I, 67) .

Em suma, como dizia D. Bonhoeffer, o pregador deve encontrar-se com a Palavra de Deus: na mesa de estudo, preparando seriamente seu ministério com a ajuda dos oportunos subsídios e comentários; no reclinatório, orando a Palavra que vai pregar, de modo que não somente saiba falar “de” Deus, mas antes de mais nada fale “a” e “com” Deus na sua oração pessoal; e finalmente no púlpito, deixando que no momento mesmo do seu ministério ressoe nele mesmo, antes que nos seus irmãos, o que Deus nos comunica.

Na semana passada apresentei aos leitores de ZENIT alguns conselhos práticos que podem ajudar o Pregador Sagrado na sua missão. Pode ler clicando aqui. Na próxima semana continuaremos com o tema de hoje.

Padre Antonio Rivero tem licenciatura e doutorado em Teologia Espiritual pelo Ateneu Pontifício Regina Apostolorum em Roma. Atualmente exerce seu ministério sacerdotal como professor de teologia e oratória, e diretor espiritual no Seminário Maria Mater Ecclesiae do Brasil.

Caso você queira se comunicar diretamente com o Pe. Antonio Rivero escreva para arivero@legionaries.org  e envie as suas dúvidas e comentários.