Congresso das famílias já dá primeiros frutos

Segundo o Pe. Sergio Omar Sotelo Aguilar

| 1310 visitas

Por Karna Swanson

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 15 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- Reflexão sobre os problemas da família, nova colaboração entre especialistas e associações familiares, compromisso por promover os valores: estes são alguns dos frutos que já está dando o Congresso Teológico Pastoral que prepara o Encontro Mundial das Famílias. Assim constata nesta entrevista o Pe. Sergio Omar Sotelo Aguilar SSP, secretário executivo da Comissão da Conferência do Episcopado Mexicano (CEM). 

– Como foi o segundo dia do VI Congresso Mundial das Famílias? 

–Pe. Omar Sotelo: Iniciamos o dia com a entronização de uma réplica fiel da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, que em 1531 ficou impressa no ayate de São Juan Diego e até hoje se conserva intacta. Com este ato, a Virgem Morena continua se fazendo presente com esse amor maternal que tem pelo povo do México e pelas famílias do mundo inteiro.

Desde as primeiras horas da manhã, os mais de 10 mil congressistas do mundo inteiro começaram a reunir-se na sala de conferências, na Expo Família, nas capelas e confessionários, na adoração ao Santíssimo e nos encontros, com toda a riqueza de sacerdotes, bispos, cardeais, seminaristas, religiosas e voluntários que participam deste evento. É impressionante ver milhares de almas em um ambiente de tanta proximidade e comunhão. 

– Quais foram os temas mais relevantes na mesa redonda de ontem? 

– Pe. Omar Sotelo: A mesa redonda referente aos organismos que ajudam a família na formação dos valores foi presidida pelo cardeal Stanislaw Rylko, presidente do Conselho Pontifício para os Leigos. 

A primeira intervenção foi a do Pe. Saúl Ragoitia, pároco da diocese de Querétaro, que comentou que atualmente os valores são dificilmente transmitidos, pelo que as famílias precisam de apoio para educar seus filhos e é precisamente a paróquia um dos principais suportes para esta tarefa. 

Por sua parte, a Sra. Marilyn Barrio, representante do Movimento dos Focolares, assegurou que a família tem uma função fundamental e insubstituível como transmissora de valores às novas gerações e afirmou que atualmente «a família também contém o DNA de todas as feridas e os dramas do nosso tempo». 

O Pe. Álvaro Corcuera, diretor geral do Regnum Christi e dos Legionários de Cristo, declarou que sua congregação e movimento de apostolado não buscam ser protagonistas, mas servir e colaborar com todas as demais realidades eclesiais. 

Em representação do Caminho Neocatecumenal, Giovanni Stirati explicou que o neocatecumenato busca evangelizar a família que vive em meio a múltiplos desafios na sociedade atual. 

Por sua parte, o movimento de Schoenstatt expôs testemunhos muito positivos da forma de vida em que o amor de Maria é o centro das famílias. 

O Dr. Eduardo Zainos, representante do Instituto Superior de Estudos para a Família e da Rede de Universidades Anáhuac, comentou que a educação não é só uma ferramenta para adquirir conhecimentos, para conhecer aquilo que nos rodeia, mas um método de ensino na vida, já que a transmissão de valores fundamentais se dá mediante o valor supremo e pelo qual se deve viver: o amor. 

– Que frutos concretos você acha que se obterão nestes dias? 

– Pe. Omar Sotelo: O fruto dependerá da consciência e generosidade assumidas por cada um de nós, responsáveis por formar hoje em dia as presentes e futuras gerações. 

Como frutos imediatos temos a reflexão profunda sobre temas e problemáticas que afetam a família no mundo de hoje, a possibilidade de interagir e conhecer realidades de famílias e especialistas de todo o mundo e sobretudo o compromisso, como mencionou o presidente Felipe Calderón, de dar testemunho, de ser famílias capazes de formar uma sociedade mais justa e mais humana, baseada nos valores universais e cristãos. 

– Vieram representantes de muitos países ao Encontro? 

– Pe. Omar Sotelo: Aproximadamente 80 países; este aspecto é talvez um dos mais notórios, além de que houve uma nutrida participação, as famílias e os congressistas vêm dos cinco continentes. A participação de famílias e assistentes da África é particularmente destacável e demonstra que, sem importar a distância e a diversidade cultural, o valor da família e da formação dos filhos é uma constante em todas as culturas do mundo. 

– Mencionou-se muito a Expo Família; o que você pode nos dizer ao respeito?

– Pe. Omar Sotelo: A Expo Família do VI Encontro Mundial das Famílias reúne mais de 150 expositores que se encontraram para compartilhar diversos carismas e ferramentas de apoio para conseguir um desenvolvimento saudável e harmônico em família, tanto no âmbito econômico como no cultural e espiritual. 

Nela se levam a cabo relações de contato entre expositores, movimentos religiosos, congregações, apostolados, programas de pastoral e patrocinadores, gerando uma sinergia que nos manifesta que não estamos sozinhos neste caminho rumo à consolidação de autênticas famílias católicas.