Consagrar a JMJRio 2013 à Nossa Senhora é consagrar a Juventude de todo o mundo à Ela

Entrevista com Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 431 visitas

Este ano Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, foi convidado pelo bispo de Leiria, Portugal, Dom António Marto, a presidir a maior das celebrações anuais do Santuário de Fátima, a Peregrinação Internacional Aniversária de Maio de 2013, que acontecerá entre os dias 12 e 13 do presente mês, “uma deferência que agradeço muito”, disse Dom Orani em entrevista à ZENIT hoje.

A cada ano é convidado um bispo de alguma parte do mundo para presidir essa celebração, e desta vez, Dom Orani foi o convidado. “Com muita alegria aceitei e disse também que aproveitaria e iria à Fátima para consagrar a Jornada Mundial da Juventude”. E "para minha alegria, o próprio Papa Francisco pediu que o seu pontificado fosse consagrado à Nossa Senhora de Fátima". Numa grande data, reúnem-se então três grandes assuntos: a “grande solenidade de Fátima, os jovens que estarão sendo consagrados à Maria e a consagração de todo esse pontificado”, disse Dom Orani. "Para todos nós é um grande momento de nos colocarmos diante da mensagem de Fátima, daquilo que significa e daquilo que nos chama à conversão", exortou. 

E por quê consagrar a Jornada Mundial à Nossa Senhora?, Dom Orani explicou que "ao consagrar a Jornada evidentemente nós não consagramos a jornada enquanto entidade", mas "consagramos a juventude para que escutando a mensagem de Fátima se sintam também com a mãe muito presente nas suas vidas e vivam realmente toda essa mensagem de chamada, conversão e mudança, que é de uma inspiração muito próxima do povo brasileiro devido à nossa tradição que vem de portugal”.

Ao finalizar esse breve encontro, ocorrido na tarde desta segunda-feira, ao término da reunião do Conselho de Comunicação social, do qual Dom Orani também é presidente, na sede do Senado Federal em Brasília, ZENIT perguntou ao arcebispo do Rio o que se espera da evangelização hoje, de acordo com o que está indicando o Papa Francisco e o documento de Aparecida. Respondeu Dom Orani:

"Quando os apóstolos começaram a pregar o evangelho não esperaram que viessem até eles, mas foram de cidade em cidade, de região em região para pregar o evangelho. Isso permitiu que os apóstolos difundissem o evangelho pelo mundo. Se tivessem ficado onde estavam não teriam saído de Jerusalém. Ou por causa da perseguição, ou por chamado ou por envio os apóstolos saíram para pregar. E é o que o Papa Francisco está retomando e o documento de Aparecida, a própria Igreja do Brasil nos fala, que nós temos que ir onde está o povo, ir de casa em casa, ir aos bairros pregar o evangelho, ir junto das pessoas pregar a Palavra de Deus. Além de acolhê-lhas na Igreja, somos todos, padres ou leigos, chamados à missão evangelizadora onde quer que estejam as pessoas, tanto geograficamente falando, como também nas várias situações humanas."