Conselho práticos para oratória e pregação

Coluna do Pe. Antonio Rivero, L.C., Doutor e professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C. | 852 visitas

Como resumo de tudo o que já explicamos aqui, poderíamos deixar estes conselhos práticos que sempre serão úteis e proveitosos na pregação.

QUANTO AO FUNDO

Conhecer claramente o público ouvinte e os seus problemas, para não falar “sobre algo”, e sim “para alguém”.

Determinar o objetivo e não esquecê-lo durante a preparação nem durante a realização do discurso.

Procurar os motivos mais válidos e fortes para esse público e aproveitar ao máximo a sua força, mediante um desenvolvimento adequado, estruturado, lógico e progressivo.

Demonstrar os motivos que mais possam impactar o público.

Valorizar os motivos ou ideias que mais possam ajudar a atingir o objetivo proposto.

Prever as possíveis objeções do auditório e responder a elas com elegância, humor e de modo incisivo, mas sem ferir nem faltar ao respeito.

Manter a máxima clareza e ordem no desenvolvimento do discurso, para que o público não se perca.

Oferecer mais argumentos positivos que negativos, porque em geral são os mais eficazes.

Não atacar o auditório, mas compreendê-lo e estimulá-lo.

Não se limitar a um tipo único de argumentos e demonstrações, e sim variar: demonstrações bíblicas, históricas, científicas, filosóficas, da experiência...

Transmitir uma só ideia, mas bem argumentada e valorizada, e jamais carregar o auditório com complicadas elucubrações.

Evitar que a “forma” (as imagens, exemplos, comparações…) embace o fundo. É melhor que o público diga “eu vou fazer isso” em vez de “como ele falou bonito!”.
Fazer um exórdio atraente, interessante, que abra o apetite para escutar o resto do discurso.

Concentrar numa conclusão ou peroração breve os pontos fundamentais do discurso.

Dúvida os sugestões? Comunique-se, por favor, com o pe. Antonio Rivero: arivero@legionaries.org                                                                                                                                                                                                             

Para ler o artigo anterior clique aqui