Continua a crescer o número de católicos no mundo

Anuário Pontifício 2013 e Anuário Estatístico da Igreja 2011 são apresentados ao papa Francisco

Madri, (Zenit.org) Ivan de Vargas | 3531 visitas

Na manhã de ontem, o Anuário Pontifício 2013 foi apresentado ao papa Francisco pelo cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, e por dom Angelo Becciu, substituto para os Assuntos Gerais. A redação do novo anuário teve a coordenação de dom Vittorio Formenti, responsável pelo Escritório Central de Estatísticas da Igreja, do professor Enrico Nenna e de outros colaboradores.

Também foi apresentado ao papa o Annuarium Statisticum Ecclesiae 2011, editado pelo mesmo escritório.

O complexo trabalho de imprimir os dois volumes foi capitaneado pelo pe. Sergio Pellini, SDB, diretor geral da Tipografia Vaticana. Os volumes estarão à venda em breve nas livrarias.

O Santo Padre agradeceu pelo trabalho, mostrando grande interesse pelos dados ilustrados e expressando viva gratidão a todos os profissionais que contribuíram para a nova edição dos dois anuários.

Os dados trazem novidades sobre a vida da Igreja Católica no mundo até a eleição do papa Francisco. Durante este período, foram criadas 11 novas dioceses, 2 ordinariados pessoais, 1 vicariato apostólico e 1 prefeitura apostólica. 1 prelazia territorial foi promovida a diocese, e 2 exarcados apostólicos foram elevados a eparquias.

As estatísticas do Annuarium, referindo-se ao ano de 2011, destacam aspectos relevantes sobre a presença e o ministério da Igreja Católica nas 2.979 circunscrições eclesiásticas de todo o planeta.

Os católicos no mundo passaram de 1,196 bilhão em 2010 para 1,214 bilhão em 2011, aumento de 1,5%. O crescimento é ligeiramente maior que o da população da Terra (1,23%), o que faz com que a presença dos católicos no mundo permaneça substancialmente inalterada (17,5%).

A análise territorial das variações no período mostra um aumento de 4,3% na quantidade de católicos na África, continente que aumentou a sua população em 2,3%. Na Ásia também houve um aumento de católicos superior ao da população (2,0% contra 1,2%). Na América e na Europa, verificou-se crescimento igual de católicos e da população (0,3%). Em 2011, o número total de católicos batizados ficou assim distribuído por continentes: 16% na África, 48,8% nas Américas, 10,9% na Ásia, 23,5% na Europa e 0,8% na Oceania.

O número de bispos no mundo aumentou de 5.104 em 2010 para 5.132 em 2011, aumento relativo de 0,55%. O aumento aconteceu particularmente na Oceania (4,6%) e na África (1%), enquanto a Ásia e a Europa ficaram ligeiramente acima da média mundial. A América não registrou variações. Apesar das diferentes dinâmicas, no entanto, a distribuição dos bispos por continente se manteve praticamente estável ao longo do último biênio, com a América e a Europa ainda representando sozinhas quase 70% do total.

A presença de sacerdotes, tanto diocesanos como religiosos, aumentou na última década, passando de 405.067 em 31 de dezembro de 2001 para 413.418 em 31 de dezembro de 2011 (2,1%). Esta evolução, porém, não foi uniforme nas diferentes áreas geográficas. A dinâmica do número de padres na África e na Ásia é reconfortante, com 39,5% e 32% de crescimento, respectivamente (e com aumento de mais de 3.000 sacerdotes, somando os dois continentes, apenas em 2011), enquanto a América permanece com cerca de 122 mil sacerdotes. A Europa, em contraste com a média global, sofreu na última década uma redução de mais de 9%.

Os diáconos permanentes estão crescendo tanto globalmente quanto em cada continente, passando de mais de 29.000 em 2001 para cerca de 41.000 uma década depois, uma variação de mais de 40%. A Europa e a América registram os números mais significativos e a tendência evolutiva mais intensa. Os diáconos da Europa, que eram pouco mais de 9.000 em 2001, chegaram a quase 14 mil em 2011, um incremento de mais de 43%. Na América, eles passaram de 19.100 em 2001 para mais de 26.000 em 2011. Estes dois continentes, sozinhos, representam 97,4% do total global, com os restantes 2,6% divididos entre África, Ásia e Oceania.

O grupo de religiosos professos não sacerdotes consolidou-se na última década, situando-se em pouco mais de 55 mil em 2011. Na África e na Ásia, as variações são de 18,5% e de 44,9%, respectivamente. Em 2011, esses dois continentes, juntos, representavam mais de 36% do total (eram menos de 28% em 2001). Em contraste, o grupo composto por Europa (com variação de -18%), América (-3,6%) e Oceania (-21,9%) se reduziu em quase 8 pontos percentuais durante a última década.

Para as religiosas professas, a tendência é de forte diminuição, com contração de 10% entre 2001 e 2011. O número total de religiosas professas caiu de 792 mil em 2001 para pouco mais de 713 mil, dez anos mais tarde. A queda concentrou-se em três continentes (Europa, América e Oceania), com variações significativas (-22% na Europa, -21% na Oceania e -17% na América). Na África e na Ásia, o aumento foi consistente, superior a 28% no primeiro continente e a 18% no segundo. Por conseguinte, a fração de religiosas professas na África e na Ásia aumentou de 24,4% para cerca de 33% no total mundial, em contraponto à Europa e à América, onde caíram de 74% para 66% do total.

Os candidatos ao sacerdócio no mundo, diocesanos e religiosos, passaram de 112.244 em 2001 para 120.616 em 2011, um aumento de 7,5%. A evolução foi muito diferente nos vários continentes. África (30,9%) e Ásia (29,4%) apresentaram dinâmicas evolutivas vibrantes, mas Europa e América registraram um declínio de 21,7% e de 1,9%, respectivamente. Como resultado, observa-se uma redução da contribuição europeia ao crescimento potencial do número de sacerdotes, com uma quota que passa de 23,1% para 16,8%, em contraste com a expansão dos continentes africano e asiático.