Contra miopia antivida, escutar o riso das crianças

Convite do cardeal Rigali no Domingo pelo Respeito à Vida

| 929 visitas

WASHINGTON, D.C., sexta-feira, 2 de outubro de 2009 (ZENIT.org).- O presidente da comissão pró-vida da conferência de bispos dos Estados Unidos convidou a dedicar um dia a uma criança e aprender as lições que Deus oferece através dela.

O cardeal Justin Rigali, da Filadélfia (Pennsylvânia), realizou esta proposta em um comunicado publicado por ocasião do Domingo pelo Respeito à Vida, que é celebrado neste fim de semana.


A celebração do 4 de outubro tem como tema "Cada criança nos oferece um sorriso de Deus".


O cardeal se referiu ao debate atual sobre a reforma da saúde nos Estados Unidos, e a outros temas importantes relacionados com o respeito à vida.


Destacou, por exemplo, que "uma parte dos americanos crê que só vale a pena proteger as vidas e a saúde de algumas pessoas", uma atitude que qualificou como "deplorável".


"Apesar da oposição de 67% dos americanos ao imposto para financiar o aborto", indicou, "todas as propostas sobre cuidado da saúde consideradas no Congresso permitiriam ou estabeleceriam o financiamento do aborto".


"O aborto -o assassinato direto e intencionado de uma criança não nascida- não é cuidado da saúde", argumentou.


O cardeal denunciou o ponto de vista dos defensores do controle demográfico e de alguns ecologistas que propõem "o abandono, e inclusive a morte, de algumas pessoas" como "uma solução aos crescentes custos do cuidado da saúde".


Antídoto


"A morte não é a solução aos problemas da vida -destacou. Só quem está cego para ver a realidade transcendente e o significado da vida humana poderia apoiar o assassinato de seres humanos para mitigar os problemas econômicos, sociais ou ambientais", afirmou.


O cardeal continuou: "o antídoto a este tipo de miopia é recuperar o reconhecimento da santidade e a dignidade de cada ser humano único".


O purpurado convidou a passar um dia com uma criança pequena para descobrir a "fonte de alegria e de risos" e a capacidade de "saltar audazmente com a imaginação, explorar com curiosidade e inclusive fazer chamados racionais -ainda que às vezes egoístas- à justiça".


O cardeal afirmou: "As crianças se deleitam na criação de Deus e querem suas famílias incondicionalmente".


"Deus deu a todo ser humano essas maravilhosas aptidões, e as crianças podem nos ajudar a recuperá-las e valorizá-las novamente", assegurou.


Também denunciou a atual "hostilidade cultural para com as crianças" e destacou que "eliminar nossos jovens não resolve os problemas", mas os aumenta.


"As crianças -concluiu- e aqueles que dependem de nós devido a alguma incapacidade ou à idade, nos oferecem a oportunidade de crescer na paciência, na bondade e no amor".


Na internet: www.usccb.org/prolife/programs/rlp/09rigali-stmt.pdf