Contra orfandade na fé, riqueza da experiência da paternidade de Deus

Arcebispo brasileiro indica caminho de Igreja nessa dinâmica

| 1115 visitas

BELO HORIZONTE, segunda-feira, 23 de março de 2009 (ZENIT.org).- O arcebispo de Belo Horizonte (sudeste do Brasil), Dom Walmor Oliveira de Azevedo, convida os cidadãos a lutarem contra a orfandade na fé, abraçando a riqueza da experiência da paternidade de Deus.

A orfandade na fé «é uma incompetência contemporânea de dirigir-se ao Pai, o Pai de todos», afirma o arcebispo, em artigo enviado a Zenit na sexta-feira.

Segundo Dom Walmor, «a perda desta direção ou o desconhecimento deste caminho levam a humanidade, de todos os tempos, a amargar as consequências de uma delinquência nascida desta orfandade».

«Uma delinquência travestida das reivindicações de autonomia total das próprias escolhas, na vivência tirânica da própria liberdade ou na insatisfação brotada da falta de limites por não admissão de nenhuma norma ou mandamento.»

«Nascem dela, pois, as tiranias que se configuram em incompetências, amarguras, insatisfações, dificuldades para compreender a essencialidade da capacidade de viver a vida como oferta de si para o bem do outro», afirma.

Esta incompetência –prossegue o arcebispo– «tem raízes muito profundas na cultura contemporânea, impedindo a visão de Deus. Impedindo a visão de Deus que, por consequência, enjaula culturas, povos, grupos e pessoas numa cegueira angustiante».

Mas, de acordo com o prelado, há um caminho, «embora mais árduo e exigente, que pode responder à procura da liberdade autêntica e da alegria duradoura, nascida da experiência de uma verdadeira paternidade».

Este caminho «é o caminho da fé». «Somente a fé permite entrar dentro deste mistério. Paternidade e filiação na experiência da fé é um mistério. Não é um enigma indecifrável. É uma experiência que não prescinde da razão e precisa da fecundidade do amor misericordioso que vem de Deus», afirma.

Segundo o arcebispo, este percurso pode parecer muito abstrato, mas não o é. «É uma concretude que revela a razão da mais profunda demanda do coração humano. Esta sensação de abstração comprova a dificuldade advinda da cultura do efêmero que está presidindo escolhas e sensações na atualidade».

Dom Walmor explica que a Igreja Católica «tem clareza de sua missão na oferta de processos educativos para que a experiência da orfandade na fé dê lugar à riqueza da experiência da paternidade de Deus». 

«Este empenho missionário é um indispensável serviço em meio à confusão que se conhece na cultura moderna. Este não é um serviço qualquer.»

«Sem a superação desta orfandade na fé, ainda que a indicação esteja na contramão da mentalidade vigente, materialista e positivista, a humanidade vai perambular amargando a distância de Deus», afirma o arcebispo.