Contribuição da Igreja na América passa pela comunhão entre os bispos

Conversa com o cardeal Marc Ouellet, presidente da Comissão Pontifícia para a América Latina

| 709 visitas

José Antonio Varela Vidal

VATICANO, terça-feira, 11 de dezembro de 2012 (ZENIT.org) - Prossegue o seminário internacional Ecclesia in America, com participantes de todo o continente refletindo sobre os quinze anos da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a América.

Para conhecer a importância desta iniciativa profética do beato João Paulo II, da qual brotou a exortação apostólica pós-sinodal Ecclesia in America, ZENIT conversou com o cardeal Marc Ouellet, PSS, presidente da Comissão Pontifícia para a América Latina, organizadora do evento que termina nesta solenidade de Nossa Senhora de Guadalupe.

ZENIT: Já se passaram quinze anos desde o Sínodo da América. Como o senhor vê a integração da Igreja no continente hoje?

Cardeal Ouellet: O Sínodo sobre a América é em si mesmo uma mensagem de unidade, de comunhão e de solidariedade na Nova Evangelização. Isso volta a nos colocar no coração do evangelho. Cristo diz que, graças a esse amor de uns pelos outros, o mundo descobrirá quem Ele é e que o Pai o enviou.

ZENIT: Como podemos avaliar este evento de agora?

Cardeal Ouellet: O sentido da nossa iniciativa é nos reconectarmos com a intuição do papa João Paulo II. Existem problemáticas complexas entre o norte e o sul, de tipo social, político e de imigração, e o modo da Igreja de dar uma contribuição valiosa é a comunhão eclesial, a colaboração entre os bispos, entre os religiosos, e com um laicato muito comprometido.

ZENIT: E o papel da família neste contexto?

Cardeal Ouellet: A família, fundamentada no casamento sacramental, é a chave para o futuro da evangelização. Também temos a consciência de que a Mãe de Deus é a protetora da família humana e da família doméstica, básica para o futuro da evangelização não só na América, mas no mundo inteiro.

ZENIT: Também foi destacada a inculturação do evangelho através da Virgem de Guadalupe. Qual é o núcleo desta ideia?

Cardeal Ouellet: Nossa Senhora de Guadalupe é a figura do evangelho inculturado. De um evangelho que penetrou na cultura. Ela se apresentou no Tepeyac com aspecto mestiço. E assim eles captaram um Deus que era próximo, não distante. E não só no rosto, mas no nome de Maria também, que é de procedência judaica, e no de Guadalupe, que é árabe. Outra mensagem concreta que ela nos trouxe é que não precisamos de sacrifícios humanos para Deus. É Deus quem sacrifica o seu Filho. E isso foi de um poder extraordinário. Ela tinha o kerigma e o comunicou com muita doçura e ternura.

ZENIT: E na cultura contemporânea, como semear o evangelho?

Cardeal Ouellet: Nas relações humanas fundamentais, nas famílias. É lá que temos que transmitir a esperança, a fidelidade, a perseverança e um espírito de sacrifício. Temos que superar também o egoísmo, ter um amor não superficial, mas enraizado na caridade de Cristo. Se levarmos até a célula fundamental da sociedade um amor assim, que cura, que solidifica as relações humanas, estamos reconstruindo a sociedade e evangelizando, estamos construindo a civilização do amor.

ZENIT: Como agir na cultura dos meios de comunicação social?

Cardeal Ouellet: A comunicação faz parte da evolução, onde ocorre uma cultura. Mas não é nisso que a Igreja pode ser mais eficaz: a Igreja tem que cuidar é do conteúdo da comunicação. Porque a criatividade para multiplicar os meios já existe, mas a Igreja pode dar uma contribuição extraordinária na criatividade para cuidar dos conteúdos da comunicação.

ZENIT: ZENIT está fazendo 15 anos de fundação. O senhor poderia enviar uma mensagem para os nossos leitores?

Cardeal Ouellet: Vocês começaram então junto com o Sínodo para a América! A ZENIT sempre transmite a palavra do santo padre. E o sucessor de Pedro é fundamental para a unidade da Igreja, o amor pelo sucessor de Pedro, a obediência aos seus ensinamentos... Eu acho que esta proximidade que vocês mantêm com o santo padre é um serviço precioso para toda a Igreja.

(Trad.ZENIT)