Crise não exime de lutar contra pobreza, adverte Papa

Diante da reunião da ONU sobre os objetivos do milênio

| 891 visitas

CASTEL GANDOLFO, domingo, 21 de setembro de 2001 (ZENIT.org).- Bento XVI advertiu neste domingo que a crise econômica e financeira mundial não exime de aplicar os compromissos adotados na luta contra a pobreza.

O pontífice lançou seu apelo na residência de Castel Gandolfo, perante a reunião que acontecerá em 25 de setembro na sede das Nações Unidas de Nova York, para verificar o cumprimento dos objetivos estabelecidos na Declaração do Milênio, em 8 de setembro de 2000.

Diante desta reunião, que congregará líderes de todos os países do mundo, o bispo de Roma renovou o convite «para que se tomem e se apliquem com valentia as medidas necessárias para desarraigar a pobreza extrema, a fome, a ignorância e o flagelo das pandemias, que golpeiam sobretudo os mais vulneráveis».

«Um compromisso assim, ainda que exija nestes momentos de dificuldade econômica particulares sacrifícios, não deixará de produzir importantes benefícios seja para o desenvolvimento das nações que têm necessidade de ajuda do exterior seja para a paz e o bem-estar de todo o planeta», concluiu.

Com a Declaração do Milênio, os chefes de Estado e de Governo adotaram oito objetivos, dos quais o primeiro é erradicar a pobreza extrema e a fome.

Outros objetivos são conseguir educação infantil universal; promover a igualdade entre os gêneros e a autonomia da mulher; reduzir a mortalidade infantil; combater a Aids, a malária e outras enfermidades; e garantir a sustentabilidade do meio ambiente.