"Cristãos de museu" que perderam o sal de Cristo

Homilia do papa Francisco na missa da Casa Santa Marta

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Salvatore Cernuzio | 1128 visitas

Depois de abordar os "cristãos de sala", o papa Francisco alerta agora para outro risco que os seguidores de Cristo correm: tornar-se "cristãos de museu", aqueles cristãos "insípidos", que perderam o "sal da fé, da esperança e da caridade" que tinham recebido de Jesus Cristo.

Como vem acontecendo toda manhã, na missa celebrada em sua residência, o papa fez uma homilia que soa como uma exortação ao povo de Deus para não esquecer as graças recebidas. Na missa desta manhã, estava presente um grupo de padres e de colaboradores leigos da Congregação para as Igrejas Orientais, cujo presidente, cardeal Leonardo Sandri, concelebrou com o papa juntamente com o cardeal Angelo Sodano e com o arcebispo de La Paz, Edmundo Abastoflor Montero.

"Sal" foi a palavra-chave desta homilia do papa; o sal que Cristo deu a cada cristão e que traz valor agregado para a sua vida e para a vida dos outros. Este sal é a "fé", explicou o papa, a certeza do amor de Jesus Cristo, manifestado na sua morte e ressurreição para a salvação da humanidade.

Por isso é preciso cuidar para que este sal "não se torne insípido, não perca a sua força". Até porque, acrescentou Francisco, este presente não nos é dado "para ser guardado", já que "o sal só faz sentido quando é usado para dar sabor às coisas".

"Se o sal fica guardado, ele não faz nada, não serve. O sal que nós recebemos é para dar, é para oferecer. Senão, ele fica insípido e inútil". E há outro aspecto, destacou o pontífice: "Quando o sal é bem usado, não se sente o gosto do sal, o sabor do sal. O que se sente é o sabor de cada comida! O sal ajuda para que o sabor da refeição seja bom, para que ela seja mais saborosa".

Esta, de acordo com Bergoglio, é a "originalidade cristã", que não deve ser confundida com "uniformidade". Pelo contrário: "quando anunciamos a fé com este sal", todos aqueles que "recebem o anúncio o recebem conforme a sua peculiaridade". A originalidade cristã "considera cada um como ele é, com a sua própria personalidade, com as suas características próprias, com a sua cultura, e o mantém com isso, porque é uma riqueza. Mas lhe dá algo mais: lhe dá o sabor!".

“É muito bonito esse aspecto”, disse Francisco. Por outro lado, "quando queremos uniformidade", ou seja, quando queremos que "todos sejam salgados da mesma forma", é como "quando a mulher joga muito sal e só sentimos o gosto do sal, em vez do gosto da comida que deve ser saboreada com sal".

"A originalidade do cristão é esta: cada um é como é, com os dons que o Senhor lhe deu". Na prática, isto se traduz em "sair de nós mesmos para levar a mensagem, sair com esta riqueza do sal e dá-lo para as outras pessoas", insistiu o papa. As "saídas" são duas: primeiro, para dar o sal "no serviço aos outros, para servir ao povo". E depois, a "transcendência rumo ao autor do sal, o Criador". Porque o sal "não se conserva apenas quando é dado na pregação", mas precisa "de oração, de adoração".

"Com a adoração do Senhor, eu transcendo de mim para o Senhor, e, com a proclamação do Evangelho, eu saio de mim mesmo para dar a mensagem. Mas se não fizermos isso, essas duas coisas, essas duas transcendências, o sal permanecerá guardado e nós viraremos cristãos de museu".

"Como é bom", porém, mostrar o sal e dizer "este é o meu sal! Este é o sal que recebi no batismo, este é o sal que eu recebi na confirmação, este é o sal que eu recebi na catequese". A graça do dia, portanto, é "pedir ao Senhor para não sermos cristãos com o sal insípido, com o sal fechado num frasco"; de não ser "cristãos de museu" que até mostram um sal, mas "sem sabor, um sal que não serve para nada”.